Certas Palavras

Blogue de Marco Neves

12 palavras que os espanhóis roubaram aos portugueses

cropped-red-wine-tapas-3540.jpg

Na sequência do artigo de há uns dias sobre as palavras inglesas de origem portuguesa, fui tentar encontrar palavras espanholas que tivessem sido roubadas à nossa língua. São raras, mas existem: são os chamados lusismos do espanhol.

Depois de escavar um pouco, encontrei este artigo de Fernando Venâncio sobre o assunto.

Curiosamente, o artigo explica que é muito difícil saber quais são as palavras que têm origem no português e quais têm origem no galego. Afinal, nem sempre é fácil perceber onde acaba a nossa língua e começa a língua dos vizinhos de cima (ou se não serão ambas a mesma língua, no fim de contas).

Portanto, estes são 12 exemplos de palavras espanholas de origem portuguesa (começamos com algo muito doce, passamos por várias palavras aquáticas — afinal, somos gente da água — e acabamos com muito prazer):

  1. caramelo
  2. alecrín
  3. jangada
  4. lancha
  5. ostra
  6. perca
  7. mandarín
  8. barroco
  9. chato
  10. mimoso
  11. enfadar
  12. placentero

E lá vão as línguas emprestando e roubando alegremente.

O que só lhes fica bem.

Anterior

Qual é o nome da nossa língua? Será galego?

Próximo

Atacar Maomé é o mesmo que atacar os nossos filhos?

5 Comentários

  1. VICTORIA SUEVER

    Hombre “robar”…, ya se sabe que las palabras se utilizan del de al lado, cuando no se tienen propias…, ¿Por qué decís “tantas palabras del francés o del japonés con origen portugués…” y luego 12 palabras portuguesas que los españoles NOS ROBARON…, ¡QUÉ FORMA MÁS RUÍN DE EXPRESARSE!

    • Marco Neves

      Cara Victora, é absolutamente irónico e em caso algum depreciativo. Se ler os vários posts, verá que tenho uma visão muito positiva destes roubos. Um pouco de “sal” e de ironia, nada para levar a mal! 🙂

  2. Venâncio

    Muito grato ao Marco Neves pela referência. O meu estudo tem já uns aninhos, tempo suficiente para concluir que “chato”, “placentero” e quase seguramente “barroco” não são lusismos em castelhano. As buscas prosseguem…

  3. João Guisan Seixas

    Faltam mais algumas. Agora lembra-me especialmente “chubasco”, (“bátega”,”aguaceiro”), o seu derivado “chubasquero” (“capa para a chuva) e outros (“chubascada”, “chubasquería”) que têm a sua raiz evidente em “chuva”. No dicionário da RAE (Real Academia Española) deram entrada também, recentemente,”saudade” e “morriña”, não sei muito bem se como empréstimos do galego ou do português, mas, como quase sempre, essa discussão costuma ser ociosa. “Morriña” é um caso engraçado porque representa uma palavra “de ida e volta”, pois a “morrinha” é uma doença que afecta os equídeos e a palavra é formada sobre a base de “morro”, que em castelhano designa o focinho dos mamíferos (pois, essa palavra está também na base de uma das palavras mais brasileiras do mundo). Já em galego a “morrinha” passou (pelo estado de prostração que provoca) das bestas para as pessoas e costuma utilizar-se como sinónimo de “saudade” e é com esse sentido que se incorporou ao espanhol. Também sinto a falta de “mermelada”, “cariño” (à qual se costuma atribuir uma “viagem” em sentido inverso, mas que para mim a origem mais plausível seria um diminutivo regular de “caro”), e sobretudo, por falar em “sentir a falta”, a expressão “echar de menos” (=”ter saudades de…” “sentir a falta de…” que, interpretada literalmente em castelhano, não fez qualquer sentido (seria “deitar de menos” ou “expulsar de menos”), é explicada como um decalque de uma antiga expressão portuguesa “achar a menos”, pela simples semelhança fonética entre o “achar” (então pronunciado “atchar”) do português e o “echar” (=”deixar”, “lançar”, “atirar”, “expulsar”, “ejectar”) do castelhano

  4. Maximilian Louis Brieger

    Sou de origem alemã, 80 anos de idade. Criado no Uruguay, aprendi “espanhol” desde menino e sempre a considerei minha “língua materna”. Sem desprezar o alemão de meus pais e o inglês escolar (e professional, mais tarde). Contudo, moro no Brasil há mais de 40 anos e, instintivamente, “penso” em português paulista. Qual é a conclusão? Sou torcedor do “tricolor paulista”!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

Ao continuar a usar este website, autoriza a utilização de "cookies". mais informação

As definições de "cookies" neste website permitem a utilização de "cookies" para oferecer ao leitor a melhor experiência possível. Se continuar a usar este website sem alterar as definições de "cookies" ou se clicar em "Aceitar" está a autorizar o uso de "cookies".

Fechar