Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Mês: Abril 2015

A ansiedade na tradução

View story at Medium.com

As línguas são o menor dos nossos problemas de comunicação

SONY DSC

Sim, é exactamente isso: as línguas são um problema muito difícil, mas já temos soluções bem antigas…

  1. Aprender outras línguas (é sempre demorado, mas nunca é impossível);
  2. Pedir ajuda aos tradutores e intérpretes (e olhem que já cá estamos há muito tempo, apesar de sermos proverbialmente invisíveis).

Ora, há problemas de comunicação bem mais difíceis: as chatices do dia-a-dia; as diferenças culturais; as diferenças ideológicas; as diferenças de temperamento; a falta de paciência; as ideias erradas com que nos enganamos; a arrogância com que desprezamos os outros; o desejo de não perder a face numa discussão; e por aí fora…

E, depois, há ainda isto: nós, humanos, adoramos dividir-nos em grupos.

Fomos feitos assim pelos insondáveis cálculos da evolução por selecção natural, que nos deixou inscrito no cérebro um tribalismo tremendo, que nos faz matar pelo grupo e odiar quem é diferente — basta para isso estarmos convencidos que os outros nos odeiam ou, pelo menos, que estão contra os nossos interesses (e basta quase nada para nos convencer disso mesmo).

Sentimos o sangue a ferver pela tribo. Lutamos de lança na mão. Estamos obcecados pela identidade, pela nação, pelo clube. Não gostamos de ambiguidades no que toca à tribo. Estamos permanentemente alerta para detectarmos traidores à pátria — seja a pátria a nação propriamente dita, o partido, o clube, o grupo de amigos ou seja o que for.

Chamemos-lhe tribalismo ou, até, se quiserem, instinto de divisão.

Ora, quando falamos com alguém que julgamos fazer parte doutra tribo (ou em quem julgamos encontrar alguma ambiguidade em relação à nossa tribo), não há tradutor que nos valha: vamos sempre interpretar da pior forma possível, vamos sempre ouvir o outro como se estivesse a falar a mais obscura das línguas.

Como resolver isto? Enfim, não sei. É um problema que vai muito para lá da tradução (e a tradução já é um problema bem bicudo).

Mas, tal como no caso das línguas, este problema tem muito a ver com palavras. Os grupos em que nos dividimos usam palavras ligeiramente diferentes (discursos diferentes) — ou, às vezes, sentem de maneira diferente as mesmas palavras.

Basta lançar para cima da mesa uma palavra tão simples como “futebol” e há quem se lembre do jogo que adora; outros haverá que sentirão a pulsar dentro de si a indignação pela “alienação da população portuguesa”. (Outros, ainda, sentem uma certa ambivalência: “Ah, sim, aliena, mas é bom.”)

Ouvimos a palavra “literatura” e uns lembram-se da emoção tremenda de ler aquele livro ou do prazer que é estudar a fundo um determinado autor. Outros têm uma vaga memória de livros que os professores lhes tentaram impingir há muito tempo e de alguns discursos inflamados sobre o valor da literatura que lhes dizem muito pouco.

Sim, somos muito diferentes — mas também mais parecidos do que pensamos. Não é impossível, muito de vez em quando, derrubar uma das muitas barreiras que erguemos em nosso redor. Não é impossível aprendermos a viver com o nosso tribalismo instintivo e aproximarmo-nos um pouco mais uns dos outros.

Afinal, também havia quem dissesse que a tradução era impossível…

Como pensa um terrorista?

1.

O que passa pela cabeça de alguém enquanto mata estudantes numa universidade? O que passa pela cabeça de quem tenta saber a religião duma jovem universitária para decidir se a mata com um tiro na cabeça?

2.  

Ninguém pode saber. No entanto, ao contrário do que gostaríamos de pensar, estes terroristas não são assim tão diferentes de nós. Recue-se alguns séculos e na nossa bela Lisboa tínhamos famílias a assistir, entre risos e alegria comunitária, à execução de judeus porque eram judeus.

3.

Há qualquer coisa de muito antigo nesta barbárie. O que temos ali é tribalismo em estado puro, acicatado pela religião. Na cabeça daqueles assassinos estará, certamente, a certeza de que “estes não são como nós”; a certeza de que “estes merecem morrer”; a certeza de que Deus não os ama como nos ama a nós.

4.

Sim, a religião pode ser muitas coisas — e muitas coisas boas — mas também pode ser o fermento do ódio tribal. Se tivermos a certeza de que os outros não são filhos do mesmo Deus, será mais fácil matá-los. O que importa é Deus e os seus fiéis. Os infiéis, esses, estão perdidos para toda a eternidade; mais vale acabar com eles. Na cabeça dum terrorista religioso, o que interessa quando olhamos para outra pessoa é saber se acredita ou não no exacto Deus a que nos calhou em sorte submeter-nos.

5.

Mas não nos concentremos na religião. Afinal, há quem mate por nacionalismo — e mesmo quem mate por clubismo. Acima de tudo, o que me parece que podemos encontrar na cabeça dum terrorista é tribalismo.

O que quero dizer com tribalismo? Quero dizer isto: o sangue a ferver de ódio por quem não é do nosso grupo (seja lá que grupo for) e um desprezo profundo por essa ideia descabida de que todos os humanos são parecidos e que a nossa verdadeira tribo é a nossa espécie.

Esta ideia de que todos os humanos são parecidos é uma ideia revolucionária, muito recente, complicada, que vai contra a corrente do nosso sangue violento. E é por isso que estes terroristas são, acima de tudo, anti-humanistas: para eles, os seres humanos só valem enquanto membros dum qualquer grupo e não como parte da humanidade.

Contra isto, convém dizer sem rodeios que nós somos como aqueles jovens mortos numa universidade do Quénia. Depois, convém não esquecer outra coisa: mesmo que eles não o saibam ou nos odeiem por dizermos isto, somos também como aqueles que puxam o gatilho.

Sim, é verdade: temos em nós a capacidade para sermos tão tribais como qualquer terrorista. Mas também temos dentro de nós a capacidade para ultrapassar esse tribalismo cruel. Por isso, convém deixar claro: estaremos sempre do lado dos que morrem por carregar aos ombros uma qualquer identidade que provavelmente nem escolheram.

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close