Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

As cidades e as línguas

LISBOA2

Uma cidade é uma amálgama de diferentes épocas e diferentes ideias. Reparem nos edifícios, nas paredes pintalgadas com palavras de ordem de diferentes épocas, um palimpsesto de sonhos, indignações e palavras que vão e vêm como as ondas (às vezes, aparecem alguns tsunamis que deixam marcas durante décadas).

Os edifícios são como as células do corpo humano: aparecem, enchem-se de actividade, por vezes ficam em ruínas, desaparecem e são substituídos — e a cidade fica a mesma, tal como nós continuamos a ser quem somos mesmo que já não tenhamos nenhuma das células com que nascemos.

(No outro dia, estava a passar por Miraflores, numa rua à sombra da CRIL, e vejo no meio de prédios indistintos dos anos 80 uma espécie de relíquia: prédios bem mais antigos, como se um pedaço de rua doutro sítio qualquer tivesse sido arrancado e arrumado ali. E, no entanto, o que aconteceu foi outra coisa: a rua era toda assim e foi sendo apagada e reconstruída, deixando apenas aquele dente de leite feito de velhos prédios.)

As cidades fazem-se também de planos que começam e não acabam, arranques de ideias geniais que se ficam pelo caminho — são cumpridas até ao fim, com mais ou menos desvios às contas, mas que acabam por só valer por aquilo que se faz depois.

As cidades são mesmo como o corpo humano, mas duram milénios e não algumas décadas. E nós por lá passamos, também como as células: nascemos, morremos e às vezes até mudamos de cidade — e as cidades ficam.

O que tem isto a ver com línguas?

Pouco ou nada — mas já perceberam que este blogue tem muitas outras manias para lá da mania das línguas.

Mas reparem: já pensaram que as palavras que usamos são também ruínas reconstruídas das palavras que foram usadas ao longo dos séculos, adquirindo novos usos, perdendo significados e ganhando outros, mudando de modas e de gostos e navegando pelas classes sociais e pelas regiões e até pelas línguas?

Da mesma forma, cada um de nós vai usando as palavras que aprendemos, mudando-as imperceptivelmente e deixando-as para as gerações futuras.

Nem as cidades nem as palavras são nossas e no entanto são criadas por nós todos os dias.

É estranho, mas é assim.

Anterior

Cinco aspectos em que o mundo está bem melhor

Próximo

Gestão de Projectos de Tradução

1 Comentário

  1. Gostei muito deste artigo. Parabéns, adoro o blogue Língua e Outras Manias! 🙂

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close