Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Como nunca dar erros de português?

abc-928383_1280

Há muitas pessoas que estão sempre a pensar nos erros de português (dos outros). Tanto que se esquecem de ouvir o que os outros estão a tentar dizer.

Em honra desses enervados da língua, deixo as únicas três sugestões que garantem um português sem erros (e mesmo assim não sei):

  • Não falar e não escrever.
  • Falar sempre em inglês (ou noutra língua à escolha).
  • Falar com guião, depois de mandar rever por duas ou três pessoas.

Vá, deixem-se lá de obsessões pouco saudáveis…

Quer isto dizer que não me preocupo com os erros?

Claro que me preocupo!

O que digo é isto: devemos dar mais importância aos nossos erros e um pouco menos aos dos outros.

Há excepções: os revisores são pagos para se preocuparem com os erros dos outros. Os professores têm como uma das suas muitas funções ensinar a evitar erros. Mas, tirando esses honrosos casos, andar para aí a apontar erros a torto e a direito não ajuda ninguém.

Mas há pior: há quem consiga andar sempre a queixar-se dos erros dos outros e não consiga escrever uma frase seguida sem erros (haverá perdão?). Pior ainda: há quem ande por aí a acusar os outros de erros que não existem. Mas desses já tenho falado muito por aqui. Vou deixá-los descansar só hoje.

Ora, espero que me permitam este atrevimento. Proponho alguns princípios para lidar de forma mais saudável com os erros de português:

  1. Dar mais importância aos nossos erros do que aos erros dos outros. (Rever os nossos textos, mas ler os textos dos outros.)
  2. Quando o erro for óbvio, corrigi-lo em privado (a outra pessoa agradecerá, se for esperta). 
  3. Não inventar erros (em caso de dúvida, pesquisar antes de acusar alguém).
  4. Aceitar que, por vezes, a língua permite várias construções semelhantes sem que uma esteja necessariamente errada.
  5. Nunca deixar de escrever por medo de errar.

Por último: podemos tentar ouvir os outros com algum respeito, mesmo que falem com erros.

O português é importante, mas as pessoas ainda são mais.

(Então e como dar menos erros? Bem, já aqui dei algumas ideias.)

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

O estranho caso do português que pensava que sabia inglês

Próximo

Portugal tem a biblioteca mais espantosa do mundo?

5 Comentários

  1. “O português é importante, mas as pessoas ainda são mais.”

    Pois é.

  2. Matilde Teixeira

    Quem respeita as pessoas também respeita a língua … (Não há língua sem pessoas penso eu..) mas talvez o inverso não seja verdadeiro!
    De qualquer maneira a língua é um organismo vivo e pode ser abanada que não é por isso que deixa de ser o que é …
    Acho que a sua frase se pode aplicar a tudo: primeiro a pessoa e depois o resto. Parabéns pelo blogue. Acho sempre interessante.

    • Marco Neves

      Muito obrigado! Sim, é uma grade verdade: não há língua sem pessoas.

  3. Virgínia Castro

    Tudo o que escreve é interessante dos pés à cabeça!! Atrai-nos e prende-nos!!
    Não pare nunca!!
    Parabéns!!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close