Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

O dia em que fiquei preso no Colombo e Gulliver veio em meu socorro

Houve um dia, há muitos anos, quando ainda andava na faculdade e vivia aquela vida de estudante complicada em que durante muitas alturas do mês não tinha dinheiro na conta, em que decidi ir à Fnac. Enfim, é um prazer como outro qualquer, mas confesso que a coisa às vezes era doentia. Ficava horas a olhar para os livros, cabeça de esguelha, sem poder comprar todos os que queria. Folheava, lia, folheava outro, sentava-me, dava mais um volta, via uns CD (na altura em que ainda se comprava música física), voltava aos livros, enfim…

Pois bem, nesse dia tive um problemazito.

Fui para o Colombo, pus-me a ver livros, e perdi noção das horas. De repente, percebi que não tinha dinheiro para pagar o estacionamento! Ou melhor, eu tinha o suficiente na conta para pagar o estacionamento, que seria aí uns dois euros (julgo que já havia euros, mas não tenho a certeza). Só que não podia levantar dinheiro, porque não tinha o suficiente para uma nota que fosse (estes estudantes…). Tinha, se bem me lembro, uns três euros na conta…

Tinha um problema muito sério: como sairia dali? Não podia pagar o estacionamento com o Multibanco. Não podia levantar dinheiro. Não tinha dinheiro no bolso.

Já estava a imaginar o cenário: uma noite no Colombo… Telefonar a algum amigo para me ir salvar… Ou mesmo telefonar aos meus pais… Lavar pratos para pagar o estacionamento. Ficar eternamente a vaguear pelo Colombo, à espera dum realizador que quisesse fazer o filme da minha vida… Ou, simplesmente, ficar a dormir no carro… Uma série de acontecimentos estratosfericamente embaraçosos que me fariam vaguear como um farrapo inseguro, a tremer, pelo Colombo fora, sem dinheiro para comer, sem cama para dormir. Pânico!

Mas, fez-se luz…

Na altura, a Fnac oferecia estacionamento grátis a quem comprasse fosse o que fosse. Ora, havia uns livritos muito baratos, que custavam muito pouco… Aliás, havia, e há…

A colecção é esta:

16499305_sKQtc

 

Pois, bastou pegar num destes livros, quase escolhido ao calhas, pagar com Multibanco, pegar no talão do estacionamento grátis e ir para casa.

Talvez tenha sido mesmo as Gulliver’s Travels… Mas não posso garantir. Enfim, se não foi o Gulliver, foi sem dúvida a Penguin que veio em meu socorro.

Fiz tudo com calma, mas estava nervoso: a solução era tão simples e calhava tão bem, que era difícil imaginar que não falhasse. Talvez já nem 3 euros tivesse na conta… Talvez os cartões com menos de 5 euros não funcionassem… Se calhar chegava ao carro e não tinha gasóleo para chegar a casa.

Mas resultou. Quando cheguei a casa, que afinal nem era assim tão longe, ri-me a bom rir.

E pronto, foi assim que Gulliver veio em meu socorro num dia em que ia ficando preso no Colombo.

(Só para descargo de consciência: já tinha publicado este texto noutro sítio, já vai para uns dois ou três anos. Lá fica — e aqui também.)

Anterior

Parágrafos despenteados em bom português

Próximo

«Espanhol» ou «castelhano»: certezas há muitas!

1 Comentário

  1. Genial! E ainda há quem diga que isto dos livros não serve para nada 😀

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close