Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

O erro de Canavilhas e o cérebro humano

196H (2)

É um erro muito estranho para uma ex-ministra, de facto.

canavilhas

No entanto, a forma como o Twitter caiu em cima de Gabriela Canavilhas por causa deste erro revela uma ideia errada que anda a pairar por aí sobre a língua.

Que ideia é? A ideia de que, se soubermos alguma regra, vamos usá-la sempre bem. Ou seja, se a ministra usa um «há» onde devia estar «à», é porque não sabe distinguir os dois. Tem de ter lições de português!

Ora, meus caros defensores da exigência intransigente, sejam um pouco mais exigentes convosco próprios. Aprendam mais sobre o cérebro humano. Numa situação de escrita rápida, em que tentamos reproduzir com letras a velocidade das conversas, é bem provável que todos nós deixemos passar erros que, mais tarde, detectamos sem qualquer hesitação. O cérebro não é perfeito e mesmo o mais hábil escritor se engana, por vezes (não era só o Horácio).

O que fazer? Avisem a vítima de tal erro, como aconselho neste outro artigo. No caso da ex-ministra, depois de ler o que escreve noutros locais, não me parece que tenha problemas com o português. O cérebro dela teve ali uma paragem momentânea. E o cérebro dos tuiteiros não perdeu oportunidade de gozar o pagode com uma ex-ministra (!) da Cultura (!!) que não sabe distinguir «à» de «há» (um erro de aluno da Primária, não é?).

Convençam-se: pode mesmo acontecer a todos! A mim, já me aconteceu dar erros parecidos. Se acham que é tão fácil acertar sempre, temo pelo vosso português. Porquê? Porque, de tão certos que estão de acertarem sempre, hão-de estar muito pouco atentos aos erros próprios — que são tão inevitáveis como os impostos e a morte.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

As séries das nossas vidas

Próximo

O meu sobrinho Martim e as palavras difíceis

1 Comentário

  1. Venâncio

    Óptimo apontamento.

    Só aponto, por minha parte, que o escritor que por vezes se enganava era, não Horácio, mas Homero.

    Também com H… Traquinices do cérebro humano.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close