Certas Palavras

Blogue de Marco Neves

Espanha e Catalunha: os dados estão lançados

Mariano Rajoy (presidente do Governo de Espanha) e Artur Mas (presidente da Catalunha) encontraram-se hoje em clima de tensão. Artur Mas quer realizar uma consulta independentista no dia 9 de Novembro. Rajoy diz que essa consulta é ilegal e inconstitucional e não irá realizar-se. Nós, portugueses, podemos dar-nos ao luxo de olhar de fora, apesar de estarmos aqui tão perto. O que pode acontecer?

  1. O governo catalão desiste da ideia em troca de algumas concessões.
  2. O governo catalão tenta avançar, mas o governo espanhol impede a consulta, podendo chegar ao ponto de suspender a autonomia catalã.
  3. O governo catalão avança e Espanha é incapaz de impedir a consulta. 
    1. A independência ganha.
    2. A independência perde.
A hipótese 1. iria acalmar as hostes por uns tempos, mas depressa tudo voltaria ao mesmo. A hipótese 2. seria muito perigosa, no curto prazo, com a política espanhola de pantanas. A hipótese 3.1. seria extremamente perigosa, com toda a probabilidade de intervenção do exército. A hipótese 3.2. seria a mais estável, com o assunto arrumado por vários anos.
Na minha opinião, a hipótese 2. é a mais provável. Veremos o que acontece.
Nota:
Tudo isto está a milhas do pacífico processo escocês, onde as duas partes acordaram um referendo, realizado de forma legal e constitucional (o que, no Reino Unido, é mais fácil, pois não há constituição escrita a exigir reformas difíceis). Espanha podia ter ido pelo mesmo caminho, mas não nos podemos esquecer que, para um inglês, o Reino Unido é uma identidade complexa, que permite a cada um imaginar-se britânico ou inglês (ou escocês, etc.). Já em Espanha, temos duas ideias de Nação opostas: um catalão vê a Catalunha como nação; um espanhol doutra zona vê Espanha como uma nação una e indivisível; neste contexto, o processo catalão é um ataque terrível à identidade nacional de cada espanhol. Já o processo escocês é quase uma mera questão de economia e organização interna (não é assim tão simples, mas a diferença é notória).
“Mas é que nem penses!”

Anterior

“Não hajas como uma galdéria”: erro ou gralha?

Próximo

Quantos livros podemos ler durante a vida inteira?

2 Comentários

  1. Anonymous

    A identidade nacional de cada espanhol é o mundo inteiro ter sido roubado a Espanha.

Os comentários estão fechados.

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

Ao continuar a usar este website, autoriza a utilização de "cookies". mais informação

As definições de "cookies" neste website permitem a utilização de "cookies" para oferecer ao leitor a melhor experiência possível. Se continuar a usar este website sem alterar as definições de "cookies" ou se clicar em "Aceitar" está a autorizar o uso de "cookies".

Fechar