Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Espanha e Catalunha: os dados estão lançados

Mariano Rajoy (presidente do Governo de Espanha) e Artur Mas (presidente da Catalunha) encontraram-se hoje em clima de tensão. Artur Mas quer realizar uma consulta independentista no dia 9 de Novembro. Rajoy diz que essa consulta é ilegal e inconstitucional e não irá realizar-se. Nós, portugueses, podemos dar-nos ao luxo de olhar de fora, apesar de estarmos aqui tão perto. O que pode acontecer?

  1. O governo catalão desiste da ideia em troca de algumas concessões.
  2. O governo catalão tenta avançar, mas o governo espanhol impede a consulta, podendo chegar ao ponto de suspender a autonomia catalã.
  3. O governo catalão avança e Espanha é incapaz de impedir a consulta. 
    1. A independência ganha.
    2. A independência perde.
A hipótese 1. iria acalmar as hostes por uns tempos, mas depressa tudo voltaria ao mesmo. A hipótese 2. seria muito perigosa, no curto prazo, com a política espanhola de pantanas. A hipótese 3.1. seria extremamente perigosa, com toda a probabilidade de intervenção do exército. A hipótese 3.2. seria a mais estável, com o assunto arrumado por vários anos.
Na minha opinião, a hipótese 2. é a mais provável. Veremos o que acontece.
Nota:
Tudo isto está a milhas do pacífico processo escocês, onde as duas partes acordaram um referendo, realizado de forma legal e constitucional (o que, no Reino Unido, é mais fácil, pois não há constituição escrita a exigir reformas difíceis). Espanha podia ter ido pelo mesmo caminho, mas não nos podemos esquecer que, para um inglês, o Reino Unido é uma identidade complexa, que permite a cada um imaginar-se britânico ou inglês (ou escocês, etc.). Já em Espanha, temos duas ideias de Nação opostas: um catalão vê a Catalunha como nação; um espanhol doutra zona vê Espanha como uma nação una e indivisível; neste contexto, o processo catalão é um ataque terrível à identidade nacional de cada espanhol. Já o processo escocês é quase uma mera questão de economia e organização interna (não é assim tão simples, mas a diferença é notória).
“Mas é que nem penses!”

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

“Não hajas como uma galdéria”: erro ou gralha?

Próximo

Quantos livros podemos ler durante a vida inteira?

2 Comentários

  1. Anonymous

    A identidade nacional de cada espanhol é o mundo inteiro ter sido roubado a Espanha.

Os comentários estão fechados.

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close