Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Está tudo bem com a Língua Portuguesa?

img_2451-1

Algumas leituras muito apressadas dos artigos que publiquei ontem podem levar a pensar que acredito estar tudo bem com a língua e que nada há a fazer para defender o português.

Ora, não foi nada disso que eu disse: estou preocupado com a língua. Mas estar preocupado com a língua não implica engolir o discurso catastrofista sem reflexão.

Afinal, será falso dizer que nunca tanta gente usou o português-padrão como hoje em dia?

É errado acreditar que há 100 anos toda a população falava e escrevia melhor do que hoje. Todos sabemos que o analfabetismo diminuiu e, além disso, o uso do padrão está mais espalhado por todo o país e por todas as classes sociais.

Só que ainda estamos longe de estar onde gostaríamos de estar — tão simples quanto isso. Tanto é assim que, exactamente por haver tanta gente a tentar usar o padrão, há muito trabalho a fazer. Há muitos alunos com dificuldades, muitas pessoas que querem aprender — e a todos nós cabe a tarefa de tentar escrever melhor todos os dias.

Um discurso sereno não tem de ser menos exigente. Antes pelo contrário: evitar tanto os simplismos optimistas como os pessimistas é mais difícil do que embarcar no pânico habitual.

Aliás, menos pânico só nos ajuda a trabalhar melhor, sem o desalento de quem crê estar a viver no meio de um incêndio sem fim à vista.

Será assim tão absurdo acreditar que estamos pior do que gostaríamos, mas melhor do que já estivemos?

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

«Queria ou quer?» — A lógica da batata dos polícias da língua

Próximo

Sete Virtudes da Língua

6 Comentários

  1. Maria Hercília Carvalho

    Sem dúvida , estamos melhor do que já estivemos, pois o analfabetismo diminuiu, mas isso não quer dizer que esteja tudo bem. Confronto-me, bastas vezes, com a má utilização do presente do conjuntivo dos verbos, em que as pessoas põem a tónica na sílaba errada, pr exemplo, na 1. pessoa do plural acentuam como esdrúxula a forma façamos, digamos, vivamos e por aí adiante. Devem ter aversão à flexão verbal, ou, simplesmente, por ignorância.

    • Marco Neves

      É isso mesmo que o artigo tenta explicar: não está tudo bem — mas já estivemos pior.

  2. Glória

    E que dizer do criminoso “acordo”? Um falso acordo, que não normaliza a Língua, que não deixa a Língua ser viva com as suas variantes, que cria novas palavras quando antes eram de igual grafia (aquém e além-mar), que tolera duplas e triplas facultatividade, tendo como Norma a Oralidade em detrimento da Etimologia. Há que perguntar, qual Oralidade? A do Norte, a do Sul , Leste, Madeira, Açores, Rio de Janeiro, Bahia ou Rio Grande do Sul, Angolana, a minha ou a tua???
    Parem com este Linguicídio!
    Um “acordo” que ninguém pediu, inútil, que falha no seu propósito da normalização da Língua e que, dada a confusão de oralidades, acabou por criar um “mixordês” nunca antes visto, devassando a Língua. Um “acordo” que o não é, porque ainda não ratificado por todos e que à luz do Tratado de Viena O Tratado que rege os Tratados Internacionais), e por não ser unanimente ratificado, é ilegal.

    • Marco Neves

      Cara Glória, muito obrigado pelo seu comentário!

    • Gomez

      “Linguicídio”? O que é? É um assassinato cometido com uma linguiça? Essa eu não vi no Aulete e nem no Houaiss! Mais uma palavra pro meu vocabulário, pra enriquecer a minha pobre língua brasileira.

  3. Glória

    Parabéns pelo excelente Blog!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close