Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

A ferida da lua

mountains-665199_640

Um pai é um pai e um pai (ou uma mãe, claro) fica babado com as coisas mais simples. Perdoem-me, portanto, este relato duma cena familiar.

Faço a viagem entre Peniche e Lisboa muitas vezes. A paisagem que vemos na auto-estrada é ondulante e pontuada de moinhos (e, agora, ventoinhas).

Estamos no reino do verde claro, entre colinas e terras simpáticas. Estamos a falar da antiga Estremadura, uma região serena entre o verde escuro e montanhoso do Norte e as planuras imensas do Sul — e tudo com muito mar, ao fundo.

Bem, mas este fim-de-semana a Zélia, o Simão e eu fizemos a viagem de noite, para voltar para Lisboa.

À noite, todas as paisagens são pardas e, se quisermos, assustadoras, principalmente numa auto-estrada, onde a velocidade não deixa perceber bem o que são as luzes que vemos a passar a alta velocidade. Mesmo a paisagem simpática do Oeste não é mais do que sombras e, no céu, aparecem uns estranhos pontos encarnados a piscar.

O meu filho não se importa. Já conhece. Viemos a cantar as músicas que ele nos ia pedindo (um dia conto-vos). Pois, de repente, aparece-nos a lua por trás duma montanha, enorme e laranja, para espanto imediato do Simão, que começa a apontar: «Olha a lua!»

Espanto dele e nosso, que há coisas que nunca cansam.

Passavam nuvens à frente do disco laranja da lua.

O meu filho pergunta-me: «A lua está viva?»

Digo-lhe que sim, sem saber bem porquê.

E ele faz-me esta outra pergunta, preocupado: «A lua está ferida?»

Olhei com mais atenção: havia, na lua, uma mancha negra muito definida que parecia mesmo uma ferida.

Disse-lhe que não, que a ferida era uma nuvem.

Ele ficou mais descansado, e passou os minutos seguintes a olhar para a lua, calado, lá nas suas coisas.

E nós calados, também, por causa da lua — e do Simão.


Depois de partilhar o texto acima, a minha mãe (que tinha ficado a tomar conta dele, com o meu pai, no domingo) contou no Facebook que, no dia anterior, o Simão lhe perguntara se a lua tinha morrido. Porquê? Porque não a via no céu… A minha mãe disse-lhe que não, que ainda iria aparecer. Deve ter vindo daí a pergunta que me intrigou: «A lua está viva?»


Depois de ler o artigo acima, o meu irmão contou-me que a Lilah, a minha sobrinha, quando veio cá a Portugal há dias também o surpreendeu com a lua. Estavam a andar de carro, quando ela diz: «Moon, Venus, many stars…» Depois, faz muitos gestos e ri-se: «so beautiful, pretty moon!». O que surpreendeu o meu irmão foi o simples facto de eles nunca lhe terem dito nada parecido. É um choque bom quando os nossos filhos começam a dizer coisas só deles… Disse-me ele ainda que, quando viajam, ela parece dar um salto no que diz e no que pensa. Também me parece ver isso no Simão. Nessas idades percebemos bem o valor que tem viajar: dá-nos mais ideias, dá-nos mais mundo, dá-nos mais palavras. Como os livros, aliás (e não só…).

Anterior

O nosso vocabulário está cada vez mais pobre?

Próximo

Pasmai, ignaros leitores: o português vem do grego!

6 Comentários

  1. Armindo

    De se lhe tirar o chapéu: a lua está viva?

  2. Carmo

    Que momento lindo e que bela forma de o contar! Obrigada pela partilha.

  3. Paula Carvalhal

    É deliciosa a forma como os garotos, de repente nos fazem reapreciar o mágico malabarismo do Universo. Mesmo quando a memória é fraca, há pequenos momentos que se tornam enormes porque perduram para sempre, sobretudo quando são os nossos pequenotes que nos surpreendem.
    Na mesma circunstância de irmos à noite, de carro, de repente o pequeno Miguel maravilhou-nos para sempre, balbuciando com emoção uma das suas primeiras frases: ” A Lua… a bola atira ao céu…”

  4. Henrique Dacosta

    O caro amigo Marco Neves, tão reflexivo sempre, agora a respeito dos seus meninos. O que me faz recordar anos atrás, aquando os meus dois filhos tinham também daquele tipo de questões e reflexões bem simpáticas e quase filosóficas que tanto nos chegavam a comover. Houve duas, muito semelhantes às que aqui se colocam, e que eu finalmente quis deixar por escrito como dedicatória num relato meu (‘Ouro maldito’) de um livro intitulado “Seis ferroláns”, que diz assim: “para o meu Alexandre que, no canto de estrelas, viu furados nunha noite de Boebre; para a miña Gala, que me pregunta quen inventou as palabras; para que a súa imaxinación e inocencia os beneficie cun mañá máis libre”

    • Marco Neves

      Henrique, muito obrigado! 🙂

      • Henrique Dacosta

        Sempre é um prazer poder ler e aprender tantas coisas curiosas e interessantes como as que nos contas (vais-me perdoar que te tuteie, mas é como se nos conhecéssemos de há muito tempo já, pois tanta é a proximidade dos comentários que referes). A ti é que sou eu obrigado.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close