Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

História dum desaguisado luso-brasileiro: quem manda no texto é o leitor?

196H (2)

Há uns anos, escrevi noutro poiso uma primeira versão do texto que podem encontrar aqui. Nessa primeira versão, o texto tinha o atrevido título: «O português do Brasil aleija os portugueses?» Era, como é fácil de perceber, uma diatribe contra os portugueses que acham o português do Brasil ofensivo.

O texto levou com uma tempestade de comentários. Ainda hoje por lá caem uns quantos. Houve de tudo, pessoas ofendidas, quem argumentasse isto e aqui (o que é bom), houve quem tivesse concordado, quem começasse a insultar porque não gostou do que outros disseram…

Nada de muito diferente do que acontece todos os dias em muitos blogues, quando o assunto é minimamente polémico.

O que me interessa agora chamar para aqui é um comentário dum leitor que se sentiu a pergunta do título como sendo «discriminatória». Volto a lembrar: o título era «O português do Brasil aleija os portugueses?»

Tudo começou quando caí no disparate de reagir a um comentário que me parecia preconceituoso e redutor em relação aos portugueses, denominando tal comentário de «tacanho» — e ainda expressei a minha estranheza por ver um comentário «anti-português» escrito com todos os «c» e «p» da ortografia portuguesa. Parecia uma trollada dum português a tentar fingir-se brasileiro a atacar os portugueses (sim, há malucos para tudo por essa internet fora).

Bem, disse, então, o tal leitor assim atacado:

Tacanho é o título da matéria. Discriminatório, inclusive. Provocativo, também. O português do Brasil “aleija” os portugueses? Seria qual o sentido da mutilação?

Ora, respondi-lhe que a pergunta era irónica…

Respondeu-me de novo o comentador: 

Ironia com brasileiros não é difícil de encontrar na vida real em Portugal. Inclusive na acadêmica. Mas, quando o público destinatário é mais letrado, os portugueses gostam muito de falsear a discriminação com um tom dissimulado. Talvez resultado do complexo paroquial no cotidiano luso. Antigos cidadãos de primeira classe, não é fácil descer para o segundo andar da pirâmide social.

Ou seja, o leitor achava que eu estava a ser dissimuladamente irónico com os brasileiros. Nada mais longe do post original, como é fácil perceber, bastando para isso lê-lo.

Disse-lhe:

Chegou a ler o post original? Era dirigido à ultra-sensibilidade dos portugueses e é descabido achar que é um ataque aos brasileiros. Leia o post com atenção e perceberá a ironia do título. Não tente encontrar ofensas onde elas não existem.

O leitor talvez tenha ido então ler o texto e respondeu:

Finalizo: não há ofensa, de fato. Nem tampouco ironia. Deboche? Estaria eu, erroneamente, a exagerar. Deve conhecer o sentido de “reversibilidade em psicologia”. Se não. Pergunte. Ou aceite a minha sumária explicação: pôr-se no lugar do outro. Last, but not least: quem escreve e publica deve ter em conta que o destinatário é que é o juiz do texto. Conforme-se, ou escreva e guarde. Mostre aos amigos. Não se exponha à crítica.

Ou seja, se eu quero escrever para o público, tenho de comer e calar no que toca aos comentários dos leitores. E, sim, admitia agora o comentador, se calhar eu não tinha ofendido ninguém, mas ironia é que não estava lá, porque ele não tinha visto, o leitor é ele, o leitor é que manda, ponto final.

Bem, comi, mas não calei. Respondi:

Sim, o destinatário é o juiz do texto — e por vezes o juiz não percebe o que tem à frente. Os comentários também são passíveis de julgamento… Neste caso, num texto dirigido contra os portugueses que se sentem ofendidos com textos noutra variante do português, achar que há aqui sobranceria anti-brasileira é um erro de interpretação. Ao leitor não basta dizer “eu acho que é assim”. Convém ler com atenção e tentar não assumir o que no texto não está. A pergunta do título tem de ser vista no contexto do texto do post — e não é, de todo, sobranceira ou ofensiva ou o que for: é uma pergunta irónica, no sentido: “porque se chateia tanto em ler em português do Brasil? Será que aleija?” E a resposta é óbvia: claro que não aleija. Por isso, a ofensa retratada no texto não tem sentido. Achar-se ofendido com o título é cair em erro semelhante ao do episódio retratado no post…

(Depois ainda houve mais umas respostas, mas já em tom cordial.)

A questão é esta: será que, uma vez publicado um texto, temos de aceitar todas e quaisquer interpretações?

Bem, quem escreve, em geral quer ser compreendido (nem sempre, mas faz de conta), e deve ficar preocupado se os leitores interpretarem tudo ao contrário. A culpa será, provavelmente, do texto e do seu autor. Não vamos entrar na atitude de quem anda ao contrário na auto-estrada e diz: «estes gajos estão todos em contra-mão!»

Mas, por outro lado, não podemos achar que um leitor pode interpretar o que bem entender dum texto. O leitor deve tentar perceber o texto — digamos que o texto tem dois lados e há um esforço a fazer de ambos os lados. Há que ter um mínimo de boa-fé ao ler os outros.

Ora, por essa internet fora, a tendência é, muitas vezes, interpretar os textos da forma mais insultuosa possível. Se vemos um post que não reflecte a nossa exacta opinião, partimos logo para a indignação, para as respostas inflamadas, para o dedo em riste, sem fazer o mínimo esforço para compreender os argumentos do texto. Não damos uma segunda ou terceira oportunidade — para dizer a verdade, por vezes nem a primeira oportunidade é oferecida ao texto. Basta ver quem escreve, ler o título ou uma linha e meia, e tiramos logo as conclusões necessárias para ficarmos indignados.

Acho mesmo que andamos viciados em indignação — o que só pode ser negativo, porque precisamos da indignação bem forte para aquilo que, de facto, a merece.

O tal comentador, quando viu o título acima, supôs logo que seria um insulto aos brasileiros — porque acha que é isso que vai encontrar num blogue português. Interpretou o texto da pior forma possível — e quando lhe disse isso, afirmou que o leitor é soberano, e pronto.

O leitor é soberano, sim senhor, mas convém ser um soberano esclarecido e, quiçá, democrático — deve dar oportunidade à leal oposição de se exprimir.

Se não quiser chegar a um ponto de encontro entre a sua leitura e o texto real, acabará sempre por ver coisas onde elas não estão, sentir-se-á insultado quase sempre e, por fim, termina a ler num mundo bem diferente da realidade.

O que proponho é que demos oportunidade aos outros: ou seja, que partamos para a leitura de textos (na internet e não só) com menos pedras na mão e admitindo a hipótese de o autor não ter escrito o que estamos a ler para nos insultar a nós pessoalmente.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Saiba mais nesta página.

Anterior

A língua gestual portuguesa é uma língua a sério?

Próximo

Sete técnicas de defesa da língua portuguesa

2 Comentários

  1. Achei tão interessante este texto que copiei seu link e o postei em alguns grupos dos quais faço parte no Brasil. Muito obrigado, Marco Neves. Um grande abraço.

  2. Eu sei ler mas escrever não , não tenho a capacidade de escrever 1 dúzia de linhas com jeito.
    Mas acho q não vale a pena andar aos tiros no face .

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close