Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

A irresistível tentação de corrigir o português dos outros

IMG_1258

Há quem se irrite muito com os erros dos outros e passe a vida a corrigi-los. Da minha parte, confesso que me irrito mais com os erros de quem corrige os erros dos outros.

Porquê? Porque os erros de português dos nossos textos prejudicam-nos, acima de tudo, a nós próprios. Já as correcções erradas podem prejudicar quem as recebe sem as ter pedido.

Depois, o que querem?, intriga-me esse prazer que muitos sentem em corrigir os outros, inventando regras e encontrando erros mesmo quando as regras não existem e os erros são falsos — ou, o que será mais comum, a regra existe, mas é mais complicada do que pensa o corrector.

É por isso que acho mais importante ser rigoroso quando corrigimos do que quando escrevemos.

(Ao contrário do que possa pensar quem costuma ler este blogue, estou convencido de que é possível — mas muito difícil — ser um bom crítico do uso alheio da língua portuguesa. Querem um bom exemplo? Olhem para o Linguagista, blogue de Helder Guégués — o autor corrige os outros, mas com humor, rigor e sem cair nos habituais mitos dos guerreiros da língua.)

Vem tudo isto a propósito de uma «correcção» que recebi numa partilha da primeira parte da História Secreta da Língua Portuguesa (que me pus por aí a inventar).

Perante a frase «Já repararam que a grande maioria das pessoas que falaram português ao longo dos tempos não sabia ler nem escrever?», disse-me uma correctora de ocasião:

A grande maioria das pessoas que falou português. A maioria falou e não falaram.

Correcção seca e atrevida, que o meu erro não merecia mais considerações, não é verdade?

Ora, não estou livre de espetar erros neste blogue. Se alguém procurar, deve ser relativamente fácil encontrá-los.

No entanto, não me parece que a frase em questão esteja errada. Reparem: «A grande maioria (…) não sabia ler nem escrever»… O verbo («saber») concorda com o sujeito.

A correctora achou que tínhamos um verbo («falar») e um sujeito («a grande maioria das pessoas»), mas na verdade a frase não tem essa estrutura.

Não me vou pôr para aqui a desenhar árvores armado em linguista de fim-de-semana, mas acho que podemos todos concordar que o verbo «falar» não está ligado à «maioria», mas antes a «pessoas». (Isto das maiorias tem dado muitas dores de cabeça a muita gente, ultimamente.)

Tenho agora uma confissão a fazer. Vi o comentário da senhora logo que acordei. Ainda mal tinha aberto os olhos e já estava a responder. Só que, contra os meus próprios conselhos, fui um pouco agressivo:

“A maioria (…) sabia.” “As pessoas que falaram.” A frase está correcta. Convém ter mais atenção antes de corrigir o português dos outros.

Que falta de chá da minha parte… Peço que tomem em consideração todas as atenuantes antes de passar sentença.

O certo é que pedi desculpa e, num diálogo bem mais civilizado do que fariam supor as primeiras trocas de mimos, a senhora acabou por reconhecer o erro e tudo acabou em bem.


Agora, uma pergunta: por que razão sentiu a comentadora necessidade de corrigir o erro?

Porque — digo eu — sabe que a concordância da palavra «maioria» levanta problemas por aí. Logo, tem uma espécie de alarme mental instalado e, sempre que vê a palavra «maioria», procura o verbo, a ver se está bem conjugado. Quando viu a «maioria» da minha frase, procurou o verbo, viu um plural, e disparou. Mas era falso alarme…

Quem anda, assim, atento a estas armadilhas da língua (tão atento, que às vezes dispara em falso) estará, certamente, convencido que a língua está a precisar de quem a defenda, que o português está pelas horas da morte, que isto anda tudo uma desgraça. Daí a tentação de corrigir, de defender a dama, de atirar ao erro.

Mais vale disparar e perguntar depois, que a língua não está para brincadeiras.

Será isso que está por trás da irresistível tentação de corrigir o português dos outros?

Compreendo, mas alerto para os perigos: andarmos por aí a ler com tanto alarme na cabeça é desconfortável. Mais vale descontrair e ler sem medo. A ler e a escrever defendemos mais a nossa língua do que a disparar sem ver.

Se me permitem, bom mesmo é olhar com mais prazer para a nossa língua, tão sacaninha. Já viram, por exemplo, a maneira curiosíssima como a palavra «lá» se comporta em português? Não é isto bem mais interessante do que andar aos tiros a erros que não existem?

Anterior

Els Caganers: a mais estranha tradição de Natal da Catalunha

Próximo

Uma prenda de Natal com línguas lá dentro

7 Comentários

  1. Manuel Ventura da Costa

    Agradeço me corrija:

    “A maioria dos leitores não gosta dos meus textos ou

    “A maioria dos leitores não gostam dos meus textos”
    Obrigado

    • Marco Neves

      A primeira frase é a correcta. É verdade que não gosta? 🙂

      • Rui silva

        Então não seria melhor dizer: 《As pessoas, na maioria, não sabiam escrever?》 Não estou nada convencido na ideia de que não haja necessidade da verificação da concordância. .

        • Marco Neves

          Claro que há necessidade de verificar a concordância. O que se passa é que, na frase em apreço, o sujeito («a maioria…») concorda com o verbo respectivo («saber»). Ou seja, a frase está correcta. Quanto à opção que apresenta, é outra forma de dizer a mesma coisa, também ela correcta. Resumindo: sim, é preciso verificar a concordância, mas também é preciso compreender a estrutura da frase para avaliar essa mesma concordância.

  2. Vai-me desculpar, se escreve sobre a língua, claro que os seus leitores estarão sempre muito atentos para eventuais (putativos, aparentes, etc.) erros. Fácil conjectura, fácil de compreender…
    Mas tem razão: 1) Importante controlar o tom; 2) Muitas vezes, até nem há erro; 3) Outras vezes, a coisa tem que se lhe diga.
    Eu, que por acaso sou um bocado picuinhas na matéria e não me ensaio muito para aqui ou ali assinalar lapsos aos autores (normalmente, chamo-lhes gralhas – e muitas vezes são), peço licença para aqui me justificar sumariamente: não está em causa fazer de sabichão, nem pretender saber mais do que o interlocutor, nem muito menos rebaixar o autor do texto. Apenas, muito simplesmente, atalhar a propagação do erro, da asneira, do lapso, da gralha, tendo em conta o efeito de imitação…
    Nos textos da rede, como dos meios, o erro tende a multiplicar-se ad infinitum, influenciando pela sua repetição permanente mesmo aqueles que o reconhecem como erro, consabidamente.
    Não tenho espaço para exemplos, lembro apenas o caso de ‘despoletar’, que se instalou, designando o contrário do visado pelo falante, por confusão dos falantes dos jornais (‘o que despoletou a discussão’…). Em princípio, seria ‘espoletar’ (armar, pôr a espoleta), o contrário de ‘despoletar’ (desarmar, tirar a espoleta)…

  3. Rui Silva

    Peço desculpa pelo teor da minha anterior intervenção. Na realidade, só agora, após uma nova passagem pelo texto, compreendi a razão que inteiramente lhe assiste. Não que eu tenha mudado a minha forma de pensar sobre a matéria; simplesmente não tinha eu entendido o que estava em causa. Tem toda a razão e a minha intervenção não faz, assim, qualquer sentido.
    Uma vez mais, apresento as minhas desculpas.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close