Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Jovens há muitos e eleições também

headphone-mp3-music-3088

Ora, por estes dias anda a apetecer-me escalpelizar os lugares-comuns de um certo pessimismo repetitivo. Como já vos disse, não é que seja optimista — só me parece que não devemos ser preguiçosos quando andamos a dizer mal do mundo.

Agora, foi o director da Visão que entrou pelo habitual «ai, os jovens, que não se interessam por política». Andava eu na escola primária e já os jovens não queriam saber nada de política — tirando os que queriam.

O curioso é que João Garcia apresenta (como, aliás, é de bom tom) o argumento contrário, para o desmontar. Diz ele, depois de descrever uma daquelas reportagens em que um jornalista pergunta a jovens quem são os candidatos e eles respondem «não sei» (ou outra coisa do género):

Podemos meter a cabeça na areia e achar que a culpa é do repórter que andou a escolher os entrevistados a dedo, só citando os mais desinteressados e desinteressantes. É o mais fácil e tranquilizador. Mas também podemos acreditar que há aqui um sinal de que algo está a mudar.

Ora, antes de mais, é de facto refrescante ver alguém a apresentar os argumentos contrários. Mas convém reconhecer que isto não é uma questão de acreditar ou não. Ou bem que os jovens andam a votar mais ou andam a votar menos. Há números…

E, sim, os jornalistas podem mesmo escolher as respostas mais desinteressantes para estas reportagens. Este tipo de caça ao jovem burro é quase um género por si só e presta-se a manipulações que, acredito, serão muitas vezes inconscientes. Já vi um jornalista, à porta da minha faculdade, a ficar visivelmente desiludido com as respostas certas de um ou dois jovens.

Aliás: como sabemos, notícia é o homem que mordeu o cão, certo? Se eu quiser ser malandro, posso dizer que ficarei preocupado no dia em que aparecer uma notícia em que um jovem acerta numa resposta. Podemos então supor que todos os outros andam a errar.

Mas o que pode um jornalista fazer? O que já muitos fazem, felizmente: olhar para os números. Perceber quantos jovens pensam votar. Quantos sabem quem é Marcelo (e os outros candidatos). E comparar — com a população de outras idades e com os jovens de outras épocas.

Mais ainda: pode ouvir jovens interessados e jovens desinteressados. Não precisa de estar sempre a bater no mesmo lado…

Não é, por isso, uma questão de ser optimista e enterrar a cabeça na areia ou de ser pessimista e acreditar no cada vez maior desinteresse dos jovens: é uma questão de medir esse interesse ou desinteresse, olhar para exemplos variados e, a partir daí, procurar saber um pouco mais.

Porque, de facto, jovens há muitos e alguns até são bem interessantes e interessados.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Saiba mais nesta página.

Anterior

As rasteiras mentais que nos pregam no Facebook

Próximo

Como traduzir referências à legislação europeia

1 Comentário

  1. “[…] Mas convém reconhecer que isto não é uma questão de acreditar ou não. […]”
    Referência ó “Acredite ou Não” (imagino que sem sabê-lo).

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close