Certas Palavras

Blogue de Marco Neves

Lemos mais, mas pior?

img_2063

Maria do Rosário Pedreira, no seu extraordinário blogue Horas Extraordinárias, avisa-nos para a falta de «qualidade» das leituras de hoje em dia.

A verdade é que, ainda que, em virtude da democratização do ensino, haja mais gente a ler, isso não significa que leia com o mesmo «grau qualitativo», nem com a mesma necessidade quotidiana que tinham os leitores antigos, que podiam gastar duas horas por dia a ler, sentados na sala, autores como Faulkner ou Balzac, enquanto os actuais, nessas duas horas de leitura, estarão simultaneamente a ver os e-mails que recebem, a ouvir música, a consultar o YouTube, a mandar mensagens (e por isso não estarão a ler com a mesma atenção dos pais e avós, ou seja, não estarão a reter do livro o que aqueles retiveram).

Aceito esta perspectiva, mas gostava de matizá-la:

  • Não me considero um leitor extraordinário, mas consigo ler com atenção muitos livros. Isto, com uma vida bastante ocupada e ainda telemóveis, tablets e outros que tais. Às vezes, até dou um salto ao YouTube e chego a abrir o Facebook. Feita a confissão, sim, é verdade: ainda há quem consiga ler um livro com muita atenção.
  • Às vezes, a leitura de blogues ou notícias é também interessante e importante. Estará a milhas de um romance ou um bom livro de ciência, mas não é necessariamente perda de tempo. O blogue de Maria do Rosário Pedreira é disso exemplo.
  • Tenho uma biblioteca bem viva, com livros novos todos os meses, que tento arrumar o melhor possível no pouco espaço que tenho. Olhando para a casa dos meus pais, vejo que têm muitos livros, mas menos. Se olhar para os meus avós (gente inteligente e interessada, mas com muito menos oportunidades do que aquelas que deram aos meus pais e estes a mim), vejo ainda menos livros. E isto repete-se nas famílias de muitos colegas meus de faculdade e em imensas famílias por esse país fora: em muitos casos, a minha geração tem mais livros em casa do que os pais e os avós.

Ou seja, tento fugir de comparar o que não é comparável: famílias que tinham biblioteca há algumas dezenas de anos (pouquíssimas, à escala do país) com todas as famílias de classe média de hoje em dia, muito mais numerosas. Para pensarmos com clareza, imaginemos o país de há 50 anos (todo ele) e o país de hoje. E imaginemos ainda, se conseguirmos, a atenção que muitos avós iletrados davam aos livros com a atenção que os seus netos lhes dão. (Que esses avós tenham percebido o valor daquilo que não tinham é prova da sabedoria dessas gerações.)

Sim: às vezes, lemos a correr e estou certo que a tecnologia pode ser uma grande distracção. Mas não é impossível ler muito e bem nos tempos que correm — e não me parece tão óbvio assim que as gerações «de antigamente» lessem melhor, no seu conjunto, do que as gerações mais novas.

(Se bem que me apetecia ter mais tempo para ler, é bem verdade.)

Anterior

No Facebook, pare, escute e olhe: João Soares, Marcelo Rebelo de Sousa e David Bowie

Próximo

História Secreta da Língua Portuguesa

2 Comentários

  1. Paulo

    Há um ditado que diz: (se não há, devia haver): “Quem guarda a Guarda?”, que traduzido em ‘lingua de gente’ e literalmente, significa algo do estilo; “quando a guarda excede a velocidade, quem é que lhes passa uma multa?”

    Passando para este post; quem é que deu o direito à Sra de dizer que se lê pior? Ou traduzindo para lingua de gente; porque é que ler Harry Potter (meramente usado como exemplo) é pior que ler Balzac?

    Atenção, que acho que a Sra e todos têm o direito à sua opinião e mais ainda, no blog da Sra tem o direito a ter as opiniões que quiser ter. Inclusive, as que ofendam as opiniões dos outros. Na sua casa, manda quem é dono da sua casa!

    Há muitos anos (muitos mesmo) tive uma espécie de discussão com o meu pai; Este afirmou que as crianças já não sabiam fazer contas de cabeça, porque estavam a usar as calculadoras mesmo nas salas de aula. E eu disse-lhe que provavelmente quem sabia fazer contas de cabeça, inventou a calculadora e quem usava a calculadora iria inventar computadores (estávamos no tempo dos Spectrum).
    Dito e feito.

    Na verdade, com este texto todo, quero dizer que sempre me irritaram os “guardiões da cultura”. Aqueles que acham que a cultura correcta é sua cultura e os seus conhecimentos e a cultura dos outros está errada e consequentemente é pior que a sua….

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

Ao continuar a usar este website, autoriza a utilização de "cookies". mais informação

As definições de "cookies" neste website permitem a utilização de "cookies" para oferecer ao leitor a melhor experiência possível. Se continuar a usar este website sem alterar as definições de "cookies" ou se clicar em "Aceitar" está a autorizar o uso de "cookies".

Fechar