Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

A língua na vida real (e um restaurante numa cidade vandalizada)

dictionary-698538_640Sim, há por aí muito medo da ambiguidade. Às vezes, é justificação para atacar uma boa regra da língua portuguesa. Outras vezes, serve para atacar uma frase real porque podia ser ambígua num universo alternativo.

Vou explicar-me com um exemplo concreto: encontrei há pouco, no Facebook, quem criticasse o título «Restaurante de José Avillez no Porto vandalizado» (no Observador).

Não é o título mais elegante — atrevo-me até a chamá-lo de infeliz, coitadinho. Mas, mas… Será ambíguo? Foi esse um dos argumentos de quem criticou a frase: estava errada porque podíamos interpretá-la de duas formas distintas.

Quais? Numa primeira interpretação, foi o restaurante que foi vandalizado. Numa segunda interpretação, foi o Porto que foi vandalizado.

Só que não. Não estamos num mundo em que um jornal abra uma notícia a falar dum restaurante que por acaso existe numa cidade vandalizada.

Ou seja, a ambiguidade é formal, inventada à pressão para justificar a impressão de que o título está errado.

Ora, meus caros: não, não. Tal como dizer «a gente vai almoçar» não é ambíguo no mundo real, também aquele título não é ambíguo. Mesmo exemplos muito verdadeiros de ambiguidades reais — «O João falou com a Maria sobre o seu carro.» — dificilmente são ambíguos na vida real, vida essa em que sabemos, quase sempre, se o carro é do João ou da Maria… Aliás, tanto é assim que aquele «seu» nem lá estará, na vida real da língua. Dizemos que o João falou com a Maria sobre o carro — e ninguém fica a pensar sobre o assunto mais do que dois segundos.

Por isso, não, aquele título não é ambíguo: é só esquisito. Ah, se escrever bem fosse só caçar ambiguidades…

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

A saudade nos olhos da minha avó Leonor

Próximo

1. O dia em que percorremos o aeroporto do Porto ao contrário

2 Comentários

  1. Paulo

    Na minha opinião, falta uma virgula entre “Porto” e “vandalizado”

    • Marco Neves

      Sim, concordo (serviria para marcar a falta da palavra “foi”). Ou então podíamos trocar a ordem das palavras: “Vandalizado restaurante de José Avillez no Porto.” Mas, na verdade, nos títulos dos jornais as vírgulas raramente são usadas, por questões práticas. Seja como for, o problema não é a ambiguidade 🙂

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close