Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

As línguas dos Jogos Olímpicos

Tenho um fraquinho pelas cerimónias de abertura dos Jogos Olímpicos. Sim, eu sei, é um fraquinho pouco recomendável, tendo em conta que são festivais de megalomania. Mas lembro-me bem de assistir às várias cerimónias na televisão e essas são daquelas memórias que marcam a passagem dos anos.

Ainda me lembro de ver, com 11 anos, a cerimónia de abertura dos jogos de Barcelona e de ficar pasmado com tudo aquilo — e com a seta de Antonio Rebollo a acender a pira olímpica. Foi nessa cerimónia que conheci a música de Ryuichi Sakamoto. Ainda hoje vale a pena rever…

sex-pistols_0Depois, há cerimónias surpreendentes: há quatro anos, a abertura dos jogos de Londres foi realizada por Danny Boyle e o resultado foi magnífico — desde a rainha a participar num filme de James Bond, à participação de J. K. Rowling e Mr. Bean, com uma excelente apresentação de alguma história britânica, com muita música e muito riso. Também foi uma oportunidade única de ver Isabel II a ouvir Sex Pistols…

Pois, amanhã será a vez do Rio. Veremos como corre.


Peço-vos agora, como não podia deixar de ser, para repararem nas línguas oficiais dos jogos. São sempre o francês, o inglês — e a língua oficial da cidade.

Ora, parece simples, certo? Mais ou menos. Em 1992, a língua oficial não era uma, mas sim duas — e o catalão lá aparecia ao lado do espanhol, do inglês e do francês. Sim: quatro línguas!

Já em Atlanta, por exemplo, as línguas oficiais eram apenas o francês e o inglês, claro — e foi estranho ouvir os altifalantes dos estádios da Georgia a debitar francês.

Reparem ainda na ordem de entrada dos países: costuma ser por ordem alfabética na língua oficial. Há excepções: em 1992, para não terem de escolher entre o catalão e o espanhol, a ordem escolhida foi a do francês.

rio-1512643_640Amanhã, pela primeira vez, teremos a entrada por ordem alfabética em português. Diga-se que a ordem alfabética tem duas excepções: a Grécia (que entra em primeiro) e o Brasil (que, por ser o país organizador, entra em último).

Agora, para lá das línguas oficiais, os jogos olímpicos também juntam milhares de atletas de todo o mundo num espaço pequeno. Temos aí línguas sem fim — mas parece ser tradição que essas barreiras não impeçam o convívio entre todos. Aliás, se há coisa em que todos os organizadores dos jogos têm de se preocupar é na distribuição em massa de preservativos. Milhares de jovens atletas, muita adrenalina, muito calor… Queriam o quê? Que passassem o tempo a jogar Solitário?

Bons Jogos! (E uma ou outra medalha para Portugal — o que dizem?)

Anterior

Uma nova entrada no Dicionário de Erros Falsos: «para além disso»

Próximo

Cinco frases que os novos pais não gostam de ouvir

2 Comentários

  1. Paulo

    Das cerimónias que vi, a mais espectacular foi a de Beijing. E Londres fez muito bem em não tentar bater a espectacularidade chinesa, ‘diminuindo’ essa espectacularidade com uma cerimónia mais centrada em história e histórias.

  2. Simone Rodrigues

    Muito bem, meu amigo. Agora conte-me o que achou da abertura dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close