Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

«Mais pequeno»? Mata, mata! Esfola, esfola!

Há pouco, no Facebook, encontrei alguém exasperado porque descobriu um defeito no português! Pois, o pobre do homem percebeu que, em português europeu, podemos dizer «mais pequeno» mas não podemos dizer «mais grande».

Começaram logo as almas alarmadas a tremer de medo. Isto não é lógico! Isto não pode ser! Não faltaria muito para ter ali alguém a querer proibir a expressão «mais pequeno»! Há quem ande sempre a farejar problemas na língua…

Fernando Gomes, um dos pacientes navegadores destas discussões linguísticas, propôs-se a explicar a verdadeira e complexa lógica que todos nós trazemos na cabeça:

«Mais pequeno» usa-se com o que é mensurável metricamente ou palpável, «menor» com o que não é. Repare na diferença entre «o meu filho mais pequeno» e «o meu filho menor». No primeiro caso refere-se ao tamanho, no segundo à idade. Mais exemplos: «a mesa é mais pequena», «a inteligência é menor», «o carro é mais pequeno», «a distância é menor» (uma distância é mensurável mas não é palpável).

Boa explicação (embora me pareça que a situação ainda é mais complicada), mas o pânico continuou: então se é assim com «pequeno», tem de ser assim com «grande»! E não é! Que horror! O deus da língua distraiu-se!

Ai, calma, gente! Pois, os portugueses usam o adjectivo «pequeno» de maneira diferente do adjectivo «grande». E pronto, é isto. Tenham um bom dia.

Bem, deixem-me lá dizer mais umas coisas. A regra acima descrita pelo Fernando Gomes não foi pensada por ninguém, é a que está cabeça dos falantes do português, criada ao longo dos séculos pela deriva inconsciente e incontrolável da língua. As regras da língua são muitas vezes imprevisíveis — e muito complexas. São, elas próprias, a lógica da língua. Não convém andar à procura de outras lógicas para justificar por que razão «pequeno» segue um padrão diferente de «grande» — tal como também não vale a pena procurar a razão por que «estar» é da primeira conjugação e «comer» é da segunda. As línguas são assim: imprevisíveis e bem mais complexas do que imaginamos.

A língua não é criada a régua e esquadro antes de ser usada. Tem tantas e tantas destas inconsistências, destas aparentes falta de lógica… E não há língua humana que não as tenha. Por exemplo, o verbo «ser» é irregular. É isso ilógico? Bem, se fosse eu a desenhar o português, arrumava os verbos todos e usava uma só conjugação.

Mas, felizmente, o português não foi inventado nem por mim nem pelo Manuel Germano (aquele que se confunde com o género humano). A nossa língua — como todas as línguas — é uma colecção de hábitos antigos e muito desarrumados. Se querem mesmo ajardiná-la, têm muito que fazer — e no fim conseguiram apenas perder tempo. Mais vale gastar esse tempo a aprender a língua como ela existe agora, na sua complexidade gritante, mas natural, e ainda nas suas tremendas variações, ao acomodar-se a cada região, a cada geração, a cada falante. E não é que até nos entendemos bastante bem?

Não tenham medo do português, que ele raramente morde.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

O Facebook afasta-nos das pessoas que não pensam como nós?

Próximo

A saudade nos olhos da minha avó Leonor

3 Comentários

  1. Jlvalinha

    Em galego existe mais pequeno e mais grande (às vezes reduzido em meirande) e para a idade temos mais velho e mais novo…

  2. Daniel

    Belo post, para mim que sou brasileiro o “mais pequeno” tem um gosto antigo e até refinado, por ressoar um tempo do português brasileiro que já passou. E é um exercício curioso de humildade e autorreflexão ouvir os mais velhos e/ou com menos escolaridade falarem dessa forma e de outras. O “dialeto caipira” desperta no urbanoide em princípio repulsa, mas aos poucos a gente reconhece (se se abrir pra isso) que é só outro jeito de falar, válido como todos os outros, dentro do seu escopo.
    Uma coisa que aprendi a observar e apreciar é o modo curioso como minha sogra (73 anos, agricultora e com pouca instrução formal) inverte as famigeradas “mais” e “mas”, só que de maneira incrivelmente sistemática e regular, e que altera até os aumentativos: “menino mas pequeno”, “eu vou, mais volto”, “tem que cortar mas bem esse toco de árvore”, “daqui dois meses a árvore já tá mas grande” etc. Não é burrice ou parvoíce, é só outro modo de falar. Que resolve todos os problemas dela, e tem regularidade.
    Quando será que se conseguirá vencer o senso-comum linguístico (ah, o bom senso, essa coisa tão distribuída e tão mal distribuída na humanidade) pra que valorizemos a diversidade, em vez de apagá-la?
    Abraços d’além-mar

    • Rodrigo

      Caro Daniel,

      É preciso dizer que, conquanto para você “mais pequeno” tenha “um gosto antigo e até refinado”, esta não é uma percepção corrente entre os brasileiros que tenham instrução formal pelo menos mediana, que a reprovam, tenham ou não razão para o fazer, pois aprenderam, devida ou indevidamente, que os comparativos de superioridade de pequeno e de grande são menor e maior, nunca “mais pequeno” e “mais grande”. É, como você sabe, o que se encontra em todas as gramáticas escolares dos Ensinos Fundamental e Médio.

      Mesmo no exemplo do Marco, a maioria dos falantes brasileiros que tenham ao menos o Ensino Fundamental completo diria “o meu filho menor” com o sentido de “o meu filho de menor tamanho”, ao passo que diria “o meu filho mais novo” (tal como em galego, segundo o Jlvalinha) para designar o de menos idade.

      A razão está em que “mais pequeno” é mesmo muito estigmatizado, evitado até por quem escreve ou fala em desconformidade com as normas da gramática tradicional em inúmeros outros casos. É equivalente a “eu vi ela”, evitado por muitos brasileiros que, ao falar assim, foram corrigidos por professores que lhes disseram que “viela é rua pequena”, embora esses mesmos professores digam, como todos os brasileiros, independentemente da classe social, do nível de escolaridade e até mesmo do grau de formalidade da fala, “eu comprei ela”, “eu fiz ela”, “eu li ela” etc.

      Que você não me interprete mal, e faço esta ressalva porque os debates sobre questões linguísticas no Brasil têm sido muito, e desnecessariamente, ácidos, com acusações de preconceito linguístico contrapostas às de facilitismo pedagógico: eu sei bem que há tesouros da nossa língua, palavras arcaicas que remontam à infância dela, nos falares caipiras e noutros de outras áreas rurais do Brasil cujos dialetos recebem outros nomes, mas isto não muda o fato de que a gramática brasileira tradicional da língua portuguesa proscreve “mais pequeno”, taxativamente, e de que o estigma é tão grande que o seu uso é evitado até mesmo por quem não segue as normas dessa gramática em inúmeros outros casos.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close