Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

As Maldivas e as primas da Língua Portuguesa

Viajar é tão bom, que até gosto das viagens dos meus amigos.

A minha amiga Ana Chainho passou os últimos dias nas Maldivas, o que me parece um sítio muito original para passar estes dias antes do Natal.

Decidi chateá-la um bocado (está de férias, pode aturar os amigos…) e pedir-lhe para tirar fotos às placas e inscrições na língua do país para partilhar convosco, pacientes leitores deste blogue de línguas.

Assim, posso trazer-vos hoje um pequeno cheirinho à língua que se fala nesse paraíso perdido no meio do Índico.

Antes de vos mostrar o resultado, reparem nas primeiras fotos que ela me mandou:


Perante isto, a primeira reacção de qualquer pessoa minimamente saudável será: «Eu quero lá saber da língua que se fala aí.»

Percebo perfeitamente! Mas já que não podemos ir todos para as Maldivas (até porque aquilo era capaz de afundar sob o peso de dez milhões de portugueses), podemos sempre aprender alguma coisa.

Mas, pronto, só mais uma foto da praia (não resisto):

Agora que já babámos todos com a paisagem, falemos de línguas (e, pronto, lá se foram 80% dos leitores deste artigo).

Como qualquer lugar de turismo, a Ana encontrou por lá línguas de todo o mundo. Basta olhar para os livros espalhados pelo hotel:
img_1664
Parece haver por lá muito turista israelita e uns tantos coreanos…

Diz-me a Ana que também viu muita coisa em russo — e, claro, em inglês.

 

inglês

O divehi

Mas a língua do país é outra, claro: o divehi ou, se quiserem, maldivense.

Aqui vão os nomes da Ana, do Telmo e do filho nessa língua do Índico:

Que alfabeto é este? É o thaana.

Thaana: uma estranha forma de escrita

Digam lá se o nome do sistema de escrita desta língua não lembra um povo qualquer duma galáxia muito, muito distante? Está ali muito perto do Klingon, não está? «Eis se não quando encontrámos o povo do planeta Kor, que escrevia em Thaana!»

Mas, não: é mesmo o nome do alfabeto desta língua tão simpática (porque tão paradisíaca).

Fiquem com o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos:

udhr_maldivian

Transliteração:

Hurihaa insaanun ves ufanvanee, dharaja’aa’i ḥa’quthakuga’i minivankamaa’i hamahamakan libigenvaa ba’e’ge gothuga’eve. Emeehunnash heyo visnumaa’i, heyo bu’dheege baaru libigenva’ava. Adhi emeehan ekaku anekakaa medhu mu˂aamalaath kuranvaanee, ukhu’vaththeri kamuge rooḥe’ga’ava.

Podem encontrar mais pormenores por aqui. É um sistema de escrita da direita para a esquerda, em que os sons vocálicos são assinalados por símbolos e não por letras.

Fiquem com mais duas fotos que a Ana me arranjou:

20151217025648

20151218062459

Uma palavra maldivense: «atol» (e mais uma prova que a língua portuguesa gosta de vadiar pelo mundo)

Curiosamente, temos uma palavra que vem desta língua (mas através do inglês): «atol».

Depois, como não podia deixar de ser já que o nosso povo é um vadio, lá aparecem umas palavras portuguesas na língua. Assim, a palavra para «mesa», em divehi, é «mēzu» e a palavra para «lança» é «lonsi» — duas palavras de origem portuguesa.

 A língua das Maldivas é prima da língua portuguesa?

Agora, a grande surpresa: a relação entre a nossa língua e o maldivano (sim, este nome também existe) é mais profunda. Apesar do aspecto exótico e do cenário paradisíaco, o divehi é primo afastado da nossa mui nobre língua portuguesa.

Não sei se já pensaram nisto, mas as línguas também têm famílias. O português é uma língua latina, mas todas as línguas latinas são parte de uma família mais abrangente. Como sabemos, o inglês é uma língua germânica, o russo é uma língua eslava — e todas estas são línguas indo-europeias. Há uma relação entre elas, descoberta no século XIX.

Fiquem com o mapa das línguas indo-europeias na Europa e na Ásia:

Quase todas as línguas da Europa são línguas indo-europeias, com algumas excepções, muito interessantes: o basco não o é; o finlandês também não; o húngaro idem. Fora da Europa, há imensas línguas que não são indo-europeias, claro está: o árabe, o turco, o chinês, o japonês, e por aí fora.

Ora, o divehi faz parte do grupo indo-ariano das línguas indo-europeias, sendo aparentado com o cingalês, que se fala no Sri Lanka (podem ver a cor azul no mapa acima nessa ilha a que já chamámos Ceilão).

Por isso, sim, é verdade: o português está mais próximo do divehi, falado nessas ilhas paradisíacas do Índico, do que do basco ou do húngaro.

É possível vermos, com os nossos olhos, essa relação? Sim, se tivéssemos tempo e interesse para estudar as línguas a fundo. Há vocabulário actual que descende das mesmas palavras e há estruturas que são comuns a toda esta grande família.

Por exemplo, de forma muito simples: os verbos, nas línguas indo-europeias, costumam concordar com o sujeito. Isso aplica-se ao português, ao inglês, ao russo, ao divehi e por aí fora.

Já no basco, por exemplo, os verbos também concordam com os complementos. Ou seja, não podemos aprender os verbos sabendo apenas as tabelas do «eu canto», «tu cantas», «ele canta», etc. Os verbos também mudam de acordo com aquilo que nós cantamos…


Viajar tem destas coisas: podemos descobrir mais sobre o mundo e sobre nós próprios — não é curioso perceber que, no que toca à estrutura das línguas, temos mais a ver com a língua das Maldivas do que com o basco, mesmo aqui ao lado?

E, reparem, até nem precisamos de ser nós a viajar: podem muito bem ser os nossos amigos.

(Embora, claro, fosse muito bom estarmos a falar disto à beira do oceano, sob o sol quente das Maldivas…)

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

Homero, Shakespeare e a Guerra das Estrelas

Próximo

Els Caganers: a mais estranha tradição de Natal da Catalunha

1 Comentário

  1. As línguas falam quem somos onde estamos o quê fazemos e para onde estamos indo.
    As línguas revelam nossos ancestrais, o que eles falaram,fizeram e quais os legados que nos deixaram, pelo menos a partir do momento em que eles começaram a registrar seus atos.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close