Certas Palavras

Blogue de Marco Neves

“O comer está na mesa!”

comer na mesa

Há muitas pessoas que não gostam de ouvir a expressão “o comer“.

Estão, obviamente, no seu direito. Aliás, convém perceber que a expressão não é nada bem-vista em certos círculos sociais e incentivar o seu uso pode levar a situações embaraçosas. É uma questão de etiqueta — e todos sabemos como, muitas vezes, a etiqueta é irracional e importante.

A questão é outra: quem não gosta da expressão acusa quem a usa de estar a cometer um erro de português. Ora, na realidade, o prevaricador estará, no máximo, a cometer um erro social, mas não um erro linguístico.

“Então mas ‘comer’ é um verbo: não podemos usar como substantivo!”

Não só nada impede as palavras de saltarem classes gramaticais, como esse fenómeno é muito comum, sem levantar qualquer questão. Reparem nas frases:

– “O saber não ocupa lugar.”

– “O teu olhar é lindo.”

“Saber” e “olhar” são verbos transformados em substantivos — tal como “comer” na expressão “o comer está na mesa”.

“Tudo bem, mas se temos a expressão ‘a comida’, é um erro inventar outra expressão para dizer a mesma coisa.”

A língua tem muitos casos de sinónimos ou palavras de significado parecido. “Saber” também tem significado semelhante a “sabedoria” e ninguém se importa. Por que razão havemos de impedir o uso de palavras só porque existem outras palavras com significado parecido? Teríamos de apagar dos dicionários imensas palavras (quase todas).

“Está errado e pronto! E cada vez oiço mais, infelizmente!”

O que acontece não é que cada vez se oiça mais esta expressão: há é cada vez mais contacto entre vários grupos sociais e, assim, todos estamos mais expostos à variação linguística — que, na realidade, tem vindo a diminuir ao longo das últimas décadas, devido à maior escolarização e a esses maiores contactos sociais.

Quanto a dizer que está errado e pronto, é uma estratégia habitual no comentário aos usos linguísticos dos outros. Mas é uma estratégia, esta sim, errada. Uma coisa é o gosto pessoal de cada um e ninguém é obrigado a gostar desta ou daquela expressão (ou desta ou daquela pessoa) — outra coisa é apontar o dedo a um suposto erro de português só porque sim.

“Só mostra o facilitismo que grassa por aí!”

A acusação de facilitismo nos debates linguísticos é muito… facilitista. Neste caso, não há qualquer facilidade em usar “o comer” em vez de “a comida”. Há até um aumento das opções em termos de vocabulário, com uma maior dificuldade na escolha…

“Então porque tanta gente diz que está errado?”

Não sei explicar, mas tenho uma teoria: há expressões que ferem os ouvidos de algumas pessoas, como “funeral”, “vermelho” e outras que tais, por serem, supostamente, sinais de uma certa origem social. Ora, no caso de “o comer”, quem tem esta sensibilidade demasiado apurada encontrou alguns pseudo-argumentos linguísticos contra o uso da expressão. Esses argumentos e ideias espalharam-se através de conversas, comentários, etc. — e acabámos por ter de lidar com o mito de que “o comer” é um erro linguístico. Não é um erro linguístico: é, como disse acima, um possível erro social, se a expressão for usada em meios sociais que a abominam.

Por isso, vamos todos respirar fundo. “O comer” não faz mal a ninguém. Pode ser, apenas, um pouco desagradável, por falta de hábito de quem ouve. Pode também ser um erro social. Não não é um erro de português.

Tratem da fama e do comer,

Que amanhã é dos loucos de hoje!

— Álvaro de Campos, “Gazetilha”

Anterior

“timida fila de janellinhas abrigadas á beira do telhado”

Próximo

Já alguma vez ouviu alguém a falar basco?

6 Comments

  1. José Diogo dos Santos

    Boa tarde! O meu bisavô costumava dizer com frequência o provérbio popular: “guarda que comer, não guardes que fazer”. Concordo quando diz que terá uma conotação social, mas não só. Tem também uma conotação cultural e regional. Os Lisboetas, ou quem vive em Lisboa, por regra, da experiência que tenho, são os que mais perderam “contacto” com as expressões e palavras portuguesas. Portanto, não fico admirado quando não conhecem certas palavras e expressões portuguesas, ainda que antigas, e ao mesmo tempo utilizam estrangeirismos como se fossem parte da língua portuguesa. Obrigado

  2. É deprimente que alguém ache mesmo que isto é um erro; essas pessoas ouvem a língua portuguesa do dia-a-dia ou vivem fechados em cofres?

    • Marco Neves

      Estou convencido que vivem mesmo fechados em cofres… Ou se calhar gostavam de viver, para não ouvir estes “disparates”.

  3. Luciano

    Qual o problema com as palavras funeral e vermelho?

  4. Mário Vilar

    Outras línguas há, mesmo latinas (o Francês, por exemplo), em que o Infinito é substantivado em diversos verbos… Em Alemão, igualmente, não havendo mesmo, em certos casos, outra forma de referir o substantivo. Em Português, há outros substantivos que coincidem com o Infinito do verbo – Poder/poder; Saber/saber. Por que seria excepção o verbo comer?

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén

Ao continuar a usar este website, autoriza a utilização de "cookies". mais informação

As definições de "cookies" neste website permitem a utilização de "cookies" para oferecer ao leitor a melhor experiência possível. Se continuar a usar este website sem alterar as definições de "cookies" ou se clicar em "Aceitar" está a autorizar o uso de "cookies".

Fechar