Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

O mistério do tamanho da lua

Imaginem que esticam o braço e tentam tapar a lua com uma moeda.

De que moeda precisaríamos para tapar todo o círculo da lua?

Uma moeda de 2 euros? De 1 euro?

Ao contrário do que pensamos, uma moeda de 1 cêntimo chega — e sobra!

Experimentem: peguem em moedas e corram para a rua. (Convém ser de noite…)

Como poderão verificar, o nosso cérebro está convencido de que a lua é muito maior do que é. E, coitado, não consegue convencer-se do contrário, mesmo depois de, racionalmente, compreendermos a ilusão.

Outra ilusão relacionada com esta é a sensação universal de que a lua é muito maior quando está perto do horizonte ou de alguma estrutura terrestre. Há dias em que nos parece imensa e alaranjada, mesmo encostada ao horizonte.

Ora, mesmo nesses momentos, se fizermos a experiência da moeda, veremos que o tamanho continua a ser o mesmo: minúsculo.

Se desconfiarmos das moedas, podemos usar uma régua: o resultado será o mesmo.

Se tirarmos uma fotografia à lua, a ilusão desfaz-se.

Reparem na fotografia abaixo. Quando olhei para a lua antes de a fotografar, parecia-me que mal caberia no espaço entre os dois pilares da ponte. Na realidade, na foto, aparece-me como um círculo minúsculo.

lua

Esta é uma ilusão antiga, documentada ao longo dos séculos e que ainda hoje não está suficientemente explicada.

O nosso cérebro está cheio destes pequenos defeitos, alguns deles pouco compreendidos. Há quem lhes chame erros, outros preferem a palavra vieses ou tendências (em inglês, “biases”).

Vem isto a propósito do quê? Bem, não tem de vir a propósito de nada, mas, por acaso, esta pequena experiência da moeda e da lua lembra-nos que o cérebro nos prega partidas, neste e em muitos outros casos.

Quanto mais soubermos compensar e analisar as nossas ideias conhecendo estes enviesamentos, melhor. A ciência faz-se da descoberta destes enganos do nosso cérebro, de forma a ultrapassá-los o melhor possível.

No caso da lua, não há consequências nefastas do engano. Mas, se pensarmos bem, vemos que a crença na astrologia tem por base tendências similares do nosso cérebro, tendências essas que foram sendo descobertas ao longo dos séculos (sem deixarem de nos afectar o julgamento; e que ninguém julgue que está livre destes enviesamentos!). Muitas haverá que ainda ninguém descobriu.

Investiguem, se assim o entenderem, o que são o “viés da confirmação” e o “efeito Forer”. Terão aí uma grande parte da explicação para a sensação (falsa) de que a astrologia funciona.

Enfim, mesmo que fiquem chocados com este ataque pouco subtil à astrologia, podem sempre divertir-se um pouco a mostrar aos amigos como andamos todos enganados sobre o tamanho da lua.

Vá, peguem numa moeda e toca de ir para a rua medir a lua.

Entretanto, fiquem com um vídeo sobre o assunto. (Quem me descreveu a ilusão pela primeira vez foi Jorge Buescu, no seu livro O Mistério do Bilhete de Identidade e Outras Histórias.)

Anterior

Michelle Obama e as imagens que não valem 1000 palavras

Próximo

Existem várias línguas árabes?

2 Comentários

  1. Helder Gonçalves

    O nosso cérebro está convencido que, ou convencido de que?

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close