child-person-stars-127

Ora, vamos até supor que sim.

Que no meio das pessoas que se atiram ao mar para fugir da guerra até há um ou outro terrorista. Daqui a uns anos, temos aí uma bomba e morrem pessoas.

Sim, é um perigo.

Aliás, estas pessoas que se atiram ao mar até podem, no futuro, vir a fazer algo que já matou muito mais portugueses do que qualquer bombista-suicida: conduzir. Porque não há nada que mate mais portugueses que portugueses na estrada. Os sírios malvados ainda começam por aí a conduzir e a matar gente com uma boa ultrapassagem. Nunca se sabe.

Tudo isso é um perigo e é verdade.

Mas também é verdade que, neste momento, esta gente está a morrer aos magotes em camiões, em barcos e nas praias porque estão a fugir da guerra e da loucura religiosa que todos sabemos (que é coisa que qualquer um de nós faria se estivesse na mesma situação).

Agora, reparem: esta gente é mesmo gente. Ou seja, são como nós. Têm filhos, sofrem, querem fugir dos terroristas (irónico, não é?).

Querem salvar-se da guerra — e nós que estamos num país com algumas condições (bem melhor que a Síria, pelo menos), podíamos deixar de nos armar em riquinhos mete-nojo.

Porque dizer que não porque não temos condições (!) ou porque há perigo de haver pessoas más lá pelo meio (já viram o desplante?), no fundo, é fechar a porta a famílias que estão a fugir de assassinos porque ainda não temos o último modelo de televisão (e eles ainda nos partem a loiça).

Tantos países recebem portugueses quando precisamos só porque queremos uma vida melhor. Estes que se atiram ao mar na Síria, na Líbia e no Iraque não querem uma vida melhor: querem uma vida, ponto final.

E alguns de nós dizemos que não, porque, sei lá, ainda vem lá pelo meio uma pessoa com más intenções.

Eles que morram no Mediterrâneo, que eu não quero pôr em causa os meus domingos sossegados.

É isso?

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.