Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Os jovens estão a destruir a língua?

Há muito pânico linguístico por aí. Basta ver os absurdos comentários deste artigo do Observador, em que a linguagem dos jovens é apelidada de “triunfo da mediocridade” ou se diz algo tão errado como “só os socialmente ineptos e minorias estrangeiras (…) é que recorrem a esse palavreado”. (Estamos a falar do “bué” e cenas dessas, entenda-se.)

Usar a língua de forma criativa em situações diferentes é tudo menos mediocridade: conheço tanta, mas tanta gente que diz “bué” ao pé dos amigos e fala de forma impecável em público ou em situações profissionais.

Quem é terminantemente contra a inovação linguística é que, de facto, defende uma língua amputada, em que só podemos usar um registo e falar de forma sempre igual, em todas as situações. É um pouco como defender o uso de fraque quando estamos de férias.

E, veja-se lá bem o desplante, este tipo de inovações linguísticas dos jovens não são de agora: muitas palavras usadas pelos grandes escritores quando eram jovens seriam, certamente, consideradas pelos seus pais como erradas e prova de degeneração.

Os paniqueiros da língua acabam por ser aqueles que mostram uma certa falta de conhecimento do que é a linguagem humana. É a vida. Sempre bué de irónica.

Anterior

Sete palavras que me lembram o Algarve

Próximo

A tradução afasta-nos do original?

2 Comentários

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close