Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Os segredos da língua em Santiago de Compostela

urban-1254880_640

O livro Doze Segredos da Língua Portuguesa anda em digressão. Até já chegou onde eu nunca fui, mas desta vez vou com ele: a Santiago de Compostela, pois então.

Quem já leu o livro saberá que a Galiza tem um segredo só para ela e, por isso, é um grande prazer e uma honra apresentar os Doze Segredos lá bem a norte.

Assim, esta quinta-feira, pelas 20h (19h em Portugal), estarei na livraria Lilith-Ciranda. A página do evento está aqui. Vá, ponham-se à estrada: Santiago é já aqui!

Comigo, vão estar o José Ramom Pichel e o Valentim Fagim. Ainda hoje disse o José Ramom que são dois galegos duma cidade onde existe o bairro de Peniche… E o autor vem de Peniche. Está tudo ligado, é o que é!

Já agora, o Valentim fez-me uma entrevista há uns dias, que está no Portal Galego da Língua. Fica aqui um excerto, como deixa para a apresentação do livro:

Acho que me estou a repetir, mas isto é importante — é um facto indesmentível que brasileiros, galegos e portugueses falam qualquer coisa de muito próximo. Olhando para o galego, é certamente a língua mais próxima do português. Aliás, há tempos vi um mapa que tentava mostrar graficamente a proximidade lexical das várias línguas europeias, com uma linha menor ou maior conforme a distância entre cada língua — e o português e o galego eram dos poucos pares de línguas em que não conseguíamos ver linha nenhuma: a distância era mínima! (O mapa está aqui.)

No meu livro, tentei insistir nessa proximidade tanto no que toca ao galego como ao português do Brasil. Tentei dizer que o português do Brasil não nos faz mal: podemos ler livros brasileiros, podemos ver televisão em português do Brasil, podemos conversar à vontade. Não faz mal nenhum! Parece um absurdo dizer isto, porque parece óbvio, mas a verdade é que há quem tenha medo. Ora, também digo o mesmo em relação ao galego: oiçam essa língua curiosa que está aqui ao lado, oiçam os nossos vizinhos que falam de forma tão parecida com a nossa. Se fizerem isso, estarão a olhar para a história da nossa língua, porque esta nasceu entre o Norte e a Galiza. Reparem neste povo que fala qualquer coisa que tem muito de nós. Não digo que o galego e o português sejam a mesma língua (nem me compete a mim dizer tal coisa). Digo apenas que, olhando para a língua, estamos muito próximos uns dos outros. Para muitos, é uma surpresa: é como encontrar um irmão gémeo que não conhecíamos…


(Depois do evento…)

Os Doze Segredos lá foram à Galiza, e eu com eles (e ainda a Zélia, a Clara e o Simão, que isto onde vai um português, vão logo dois ou três).

Não gosto de exagerar nas palavras, mas a verdade é que a recepção de ontem, em Santiago, na livraria Lili-Ciranda, ultrapassou todas as minhas expectativas.

Muito obrigado ao José Ramom Pichel e ao Valentim Fagim, que apresentaram o livro, e a todos os que encheram a livraria. (E obrigado à Ciranda, claro!)

Foi uma sessão com muitas e boas perguntas, muito diálogo e boa disposição — e acabámos em excelente conversa e boa comida na Taberna da República do Couto Mixto, ali bem perto.

Fui tão bem recebido que mal posso esperar para voltar à Galiza. E não há-de demorar assim tanto…

O LIVRO DE VAlentim Fagim !

Anterior

Escândalo: a Apple deixa de defender a pureza da língua

Próximo

As memórias que não tenho: a Guerra Civil em Portugal

1 Comentário

  1. José Júlio da Costa-Pereira

    Acho que este convite ,para além de ser uma hora para si.é também uma honra para nós portugueses.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close