Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Palavras de Ponte de Sor, de Peniche e da Galiza

IMG_20150711_114847

Ora, no sábado, é a vez de Ponte de Sor: lá estarei a falar sobre os segredos da nossa língua. Quem vai estar comigo a falar do livro é o vereador Rogério Alves. Apontem na agenda e atrevam-se a ir até ao Alto Alentejo: sábado, 16 horas, no Centro de Artes e Cultura da cidade.

(Agora reparo: Picoas, Peniche, Porto, Parque das Nações, Ponte de Sor. Não fosse Santiago de Compostela, e este era o livros dos pês. Será que Portimão quer ouvir falar dos segredos da língua? Estamos na época…)


Desculpem-me as pessoas de Ponte de Sor, mas a vossa terra também é um pouco minha. Sim, quando uma pessoa se casa com alguém, casa-se com a pessoa, mas também com a família (isso já muitos disseram) — e com a terra.

Pois abram lá os Doze Segredos na página 44:

NAOSEJASLAMBAO


As ideias são como as cerejas — e se estava a falar de Ponte de Sor, reparo no parêntesis do excerto que está aqui em cima.

Nesse parágrafo, falo da palavra «chincar», que é muito penicheira… e muito galega!

Sim: depois de me ouvir a falar dessa mesma palavra na Antena 3, há umas semanas, o José Ramom Pichel, que tem um entusiasmo contagiante em tudo o que tem a ver com a língua, mandou-me de imediato um e-mail a dizer que, há uns anos, esteve a fazer uma recolha de dicionários históricos do galego. E, com esse trabalho, descobriu que muitas das palavras populares em Portugal estão nesses dicionários… de galego!

Exemplo: o tal «chincar», que eu pensava ser uma palavra penicheira, é penicheira, sim, mas também é galega. E com o mesmo significado: «tocar». Magnífico, não é?

Diga-se que a palavra, nos tais dicionários, tem mais do que um significado: o «tocar», sim, mas também «ordenhar», o que deixaria os penicheiros a rir — mas é normal, as palavras têm vários significados e quase que aposto que haverá uma ou outra terra portuguesa onde «chincar» também se ouve (ou ouvia) para «ordenhar».

Agora, o que espanta, pelo menos quem não conheça a proximidade entre galego e português, é que uma palavra que encontramos em dicionários históricos do galego apareça perdida na boca dos adolescentes duma terra à beira-mar, bem portuguesa, bem mais a sul.

Assim descobrimos, sem querer, como as palavras são matreiras: algumas, mudam entre os poucos quilómetros que separam Peniche de Ponte de Sor. Outras mantêm-se, teimosas, a ligar Peniche à Galiza. E todas ligam-nos a nós, que gostamos de ler e conversar, seja onde for. Pois agora é em Ponte de Sor.

Anterior

Ideias para escrever melhor:
1. Escrever para chegar a algum lado

Próximo

A língua portuguesa não é um copo de cristal

5 Comentários

  1. Maria Costa

    Aventar, com o mesmo sentido, usa(va)-se muito e em Vila Velha de Ródão. E, certamente, não só…
    Calhandrar, calhandreira, conheci principalmente na Marinha Grande . Aí havia mesmo um largo popularmente conhecido por Largo das Calhandreiras.

  2. A.M.

    Comento ‘chincar’ (=cincar) – dic. meu (‘Língua de Pobre’):
    chincar (v.intr./tr.)
    1. Morrer.
    2. Provar, apanhar, tomar, obter, abichar.
    3. Gozar, ter coito.
    4. Cometer erro, engano, gafe, errar, falhar, perder.
    5. Cair em logro, manobra, armadilha.
    6. <Cincar(=) =quinar/1.
    7. (adoeceu de repente, chincou, Deus lhe fale na alma).
    8. (o maroto ainda chinca, olha muito para as moças).
    9. (͚Essa iniciação cincara nos testes costumados͛ – Aquilino, Caminhos Errados/ Maria Salomé).
    9. (͚o mestre cincava de todo na disciplina pedagógica͛ – Aquilino, A Casa Grande de Romarigães, XV).
    10. (͚Atenta em tudo, cincava a boa senhora quanto a estes requisitos͛ – Aquilino, A Casa Grande de Romarigães, XVII).
    – Cabral; DRA (cincar); Houaiss; Ribacoa (diferente); RL 16/227 (OP); RL 28/269 (AP);

  3. João Chamiço

    Sou natural de Comenda no Gavião, não muito longe de Ponte de Sor. A palavra chincar era muito usada aí no seguinte exemplo: querias figos mas não os chincas).

  4. Na minha zona, usamos “topar” (tocar).

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close