Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Parágrafos despenteados em bom português

phpThumb

Os livros são como as pessoas: às vezes, despertam-nos uma simpatia imediata.

Pois, aconteceu-me isso com um livrinho que comprei ontem e que ando agora a ler, deixando os outros amigos de cabeceira um pouco de lado.

O livro é Despenteando Parágrafos, de Onésimo Teotónio Almeida (Quetzal, 2015).

Primeiro, a introdução tem à cabeça uma citação de José Cardoso Pires, escritor que é tão importante para mim que ainda nem consegui escrever grande coisa sobre ele neste blogue.

Descubro, assim, que o próprio título desta colecção de ensaios vai beber a Cardoso Pires. Isto é o suficiente para alegrar o meu coração de leitor.

Depois, descubro que Onésimo Teotónio Almeida fala de forma inteligente e prática sobre as questões da linguagem.

Para começar, não cai nos habituais catastrofismos. Só um exemplo:

[Tenho] a sensação de em Portugal ter diminuído sensivelmente a tendência para o texto excessivamente empolado, cultivando a obscuridade e procurando marcar pontos pela dose impressiva de vocabulário rebuscado e pretensamente científico. Em parte, creio, isso deve-se à nova geração educada noutro universo cultural, e à Internet, que nos e-mails e blogue agilizou grandemente e soltou a nossa prosa. (p. 16)

A Internet a fazer bem ao português! Onde é que já se viu tal desaforo? Imagino os profissionais do pânico já de mãos na cabeça e muito suspiro desalentado de todos aqueles que odeiam o tempo em que vivem…

Mas isto é um pormenor. Mais importante é o facto de o filósofo atacar de frente um dos verdadeiros problemas da nossa língua: a linguagem obscura sem razão, tão fácil de usar para disfarçar ideias mal pensadas — ou mesmo a falta de ideias.

O primeiro ensaio é uma recolha de textos risíveis de escritores e ensaístas portugueses, textos tão bem amanhados que, no fim, não fica nada: uma nuvem de palavras de aparência inteligente e que poucos se atrevem a atacar, com medo de dar parte de fraco.

Um exemplo? O ensaio inclui imensos, mas fiquemos só com uma frase (se querem mais delícias destas, comprem o livro, que vale bem a pena): «O Outro é sempre o Outro do Outro, definindo-se pelo espacejamento e pela alteridade ilimitada.»

Sim, eu sei, este exercício é fácil se tirarmos frases do contexto. Mas os extractos escolhidos e comentados por Onésimo Teotónio Almeida são bem mais extensos. Lemos aquilo e ficamos estarrecidos: pomos ao lume estes nacos de prosa e desaparecem num fio de fumo.

Isto, sim, é um problema da língua — muito mais do que as falsas catástrofes dos tais profissionais do pânico («ai, o vocabulário que se vai! ai, a sintaxe que se fica!»).

Por isso, este é um livro que defende o bom português, mesmo não sendo um livro sobre o português. E ainda por cima é divertido e com ideias a fervilhar. O que posso querer mais?

Bem, o dia tem poucas horas e o livro está ali a chamar por mim.

Até amanhã!

Anterior

O choque de palavras nos primeiros anos de faculdade

Próximo

O dia em que fiquei preso no Colombo e Gulliver veio em meu socorro

1 Comentário

  1. Ainda não consegui decidir se vou gostar do livro; por um lado admiro o ataque contra a abstrusão dos nossos ensaístas – isso é um sério problema entre nós; por outro lado (baseado em leituras superficiais de excertos noutros blogues), parece-me que estende o ataque à literatura e pugna por um perigoso simplismo verbal. Tenho mesmo de ler o livro para perceber o que está a dizer.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close