Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Ponham isto na cabeça: todos nós damos erros de português!

img_0878A Rádio Comercial, no seu Facebook, publicou esta imagem com uma gralha de todo o tamanho.

É isto um erro? Sim, claro.

Será que a pessoa que escreveu isto não sabe como se escreve «oficialmente»? Pelo amor da santinha: claro que sabe!

Este erro é, de forma bastante óbvia, uma gralha. Não se trata de ignorância: trata-se de distracção pura e simples.

Quer isto dizer que não é grave? É grave, sim: a Rádio Comercial chega a milhões de pessoas. Esta gralha transmite uma imagem de descuido. Há que olhar para as imagens que publicamos.

Mas mais grave do que a distracção são as ideias falsas que andam por aí e mostraram o rabo nos comentários a esta imagem que encontrei no Facebook:

  1. «Talvez um curso de português?»
  2. «As pessoas importantes não erram… Criam figuras de estilo.»

Aqui temos dois comentários que mostram algumas ideias feitas sobre a língua. Em relação ao primeiro, a verdade é que não há curso de português que resolva o problema, porque a pessoa que escreveu aquilo sabe escrever bem a palavra. O problema foi a distracção dessa pessoa e de quem olhou (ou não olhou…) para o texto antes de publicar. A ideia feita errada é esta: se sabemos escrever bem uma palavra, vamos escrever essa palavra sempre bem. Não, não… Todos damos erros mesmo em palavras que sabemos escrever bem. O segredo está em arranjar maneiras de os apanhar a tempo…

Em relação ao segundo comentário, temos aquela ideia peregrina que escritores como José Saramago ou outros usam convenções da língua um pouco diferentes do habitual porque não sabem escrever. Como já disse há muito tempo, estes escritores sabem usar a pontuação tão bem ou melhor do que qualquer um de nós. Mas, como qualquer artista, quando estão a trabalhar na sua arte, quebram as regras — tal como os pintores também não seguem as regras camarárias quando pintam um quadro.

Agora, o preocupante é isto: o que é que isso tem a ver com a gralha da Rádio Comercial? Nada. E, infelizmente, nas discussões da língua, é habitual vermos esta mistura de alhos e bugalhos.

Mas, pronto, é verdade: convém a quem publica numa página como a da Rádio Comercial ter muito cuidado com os textos. Mas há outra coisa que também é verdade: a página de Facebook da Rádio Comercial publica imensas* imagens e textos por dia! Para percebermos se há aqui um problema real, há que fazer o trabalho de casa: ver quantos textos são publicados e quantos têm gralhas deste tipo. Não há uma pessoa que não deixe passar uma gralha de vez em quando. E também não há nenhum sistema de revisão que evite todas as gralhas. Por mais atenção que se tenha a tudo o que se publique, uma gralha como esta é praticamente inevitável — basta esperar tempo suficiente.

Pensar o contrário é uma ilusão — e é por isso que acho os comentários mais preocupantes do que o erro na imagem. Ao ler estes comentários, parece que há por aí muita gente convencida que não dá erros ou que é fácil evitar gralhas. E essa é a receita ideal para dar muitos erros e deixar passar muitas gralhas…

* Com esta do «imensas», sou bem capaz de ter por aí algumas pessoas a acusar-me de errar. Ora, também dou erros, é claro. Mas este não é um deles. Vá, contem até dez e vão dar uma volta à praia.

Anterior

1. O dia em que percorremos o aeroporto do Porto ao contrário

Próximo

Porque choramos uma equipa de futebol que não conhecíamos?

3 Comentários

  1. Esperança Marreiros

    Experimentem corrigir 25 textos de crianças e vão ver as dúvidas que têm se tiverem de redigir logo a seguir.

  2. Pedro

    Olha o descuido: «Para perceberemos»

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close