Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

O turco e o seu i com pinta ou sem pinta

Os turcos estão nas bocas do mundo.

Nas notícias da tentativa de golpe, todos vimos imagens das televisões turcas, entre o horror e a dúvida sobre o que se estaria a passar.

Alguns, mais atentos, naqueles longos minutos em que tudo parecia acontecer, mas nada se conseguia perceber, talvez tenham olhado com mais atenção para as estranhas palavras turcas e percebido que se passava algo estranho com a letra i.

Mas antes de falarmos da pinta — quando olhamos para o turco escrito, há algo tão óbvio que nem reparamos: o alfabeto que usam é o nosso velho alfabeto latino. Mas nem sempre foi assim. Até aos anos 20, o alfabeto usado era o árabe.

turkey-73835_640

Kemal Atatürk

Foi Kemal Atatürk, o pai da Turquia moderna, que impôs este novo sistema gráfico, como medida de aproximação cultural ao Ocidente. Enfim, como já discutimos muitas vezes neste blogue, a ortografia também tem implicações políticas e identitárias…

Essa Turquia que se quer moderna convive com uma outra Turquia, mais religiosa e conservadora, que terá algumas saudades do Império Otomano. Erdogan, com o seu palácio excessivo e as suas derivas autoritárias, apesar de continuar a dizer-se presidente da república fundada por Atatürk, terá como modelo, provavelmente, os sultões otomanos.


Bem, falemos da pinta: a letra i, no turco, é mais complicada do que parece. A pinta do i turco é um acento: pode lá estar ou não.

Assim, o turco tem i sem pinta e i com pinta:

202px-Dotted_and_dotless_I.svg

O primeiro i, sem pinta, é mais difícil de ler. Se repararmos, dizemos «uuu» arredondando os lábios. Ora, se dissermos «uuu» sem arrendondar os lábios, estaremos a dizer qualquer coisa parecida com o i sem pinta do turco.

Já o i com pinta é parecido com o nosso i.

Assim, temos:

istambul

Mas:

Bandirma

Bem, com pinta ou sem pinta, com golpe ou sem golpe, confesso já que adorava ir a Istambul. Ou İstanbul.

night-1261148_1920

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

O Euro, o sabor da vitória e o elogio do bom falhanço

Próximo

Livro do dia | Como surgiu a Al-Qaeda?

1 Comentário

  1. Luciano

    Não conhecia pinta do i. No Brasil dizemos pingo do i.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close