Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

O Zé não gosta do português dos outros

child-1099770_1280O Zé quer ter muitas partilhas no Facebook. Descobre então uma fórmula infalível: falar mal da maneira de escrever dos outros.

Como? É fácil: basta encontrar um erro qualquer e escrever um post bem sarcástico e bem exagerado. Que isto está cada vez pior! Que antigamente é que se escrevia bem! Que esta gente é estúpida! Que os portugueses do século XIX eram todos uns génios da língua e agora é o que se vê!

O Zé não encontrou nenhum erro naquele dia? Ah, não faz mal: basta inventar. Há sempre esta ou aquela expressão de que o Zé não gosta. Do «não gosto» é fácil passar ao «está errado». Porque sim. O Zé raramente tem dúvidas e nunca se engana, claro. Não investiga. Não dá o benefício da dúvida. Acusa, de forma prazenteira e muito sarcástica. Vê então os gostos e as partilhas e os comentários de concordância. «Ah, ninguém sabe escrever.» «Ah, antigamente é que era bom.» «Ah, os jovens — é só grunhidos!»

O Zé entusiasma-se. Cria então listas de palavras e expressões «erradas». Mistura erros a sério com invenções da sua lavra. Apresenta certezas e poucas dúvidas. O Zé fica contente: o Zé torna-se viral (embora provavelmente haja outro Zé qualquer que ache esta palavra um grande erro).

Ah, o Zé está satisfeito! Sente a doce solidariedade de todos os que estão convencidos que todos os outros são estúpidos (nós é que não).

Dúvidas? Para quê? O Zé entusiasma-se: está viciado nos erros dos outros. Sente-se bem, acha que está a proteger a língua. Se alguém se atreve a dizer que as coisas não são bem como ele diz, desata a disparatar: que são facilitistas, que aceitam tudo, que não respeitam a língua. E, assim, embalado, lá vai caindo numa visão fácil, que aceita qualquer ideia pouco pensada, que não respeita a língua… E no entretanto vamos ficando com menos paciência para conversar, com menos atenção ao que os outros dizem, obcecados que estamos com as manias do Zé, não vá o Zé irritar-se e apontar o dedo a uma qualquer inocente palavra da nossa língua.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

10 números deste blogue

Próximo

O que não quero dizer ao meu filho

2 Comentários

  1. Paulo

    Tu (desculpa lá o tratamento por ‘tu’, visto que ainda não fomos formalmente apresentados – lê o livro da Lucy Pepper, como não morrer de fome em Portugal-, mas creio que, após alguumas trocas de comentários entre os dois, poderei usar esse tratamento), regressando ao tema, tu gostas mesmo de combater moinhos de vento, não gostas?

    Passando a explicar; o Zé descobriu o poder da palavra. E para se perceber isso, basta circular pelos comentários que o pessoal põe nos vários artigos de jornal.

    Por cada comentário minimamente inteligente, (é independente se concordamos ou não com o que é dito), há umas dezenas de comentários cretinos. E o mesmo se aplica ao facebook ou a outra qualquer rede dita social.

    E é também por isso que tu próprio tens os comentários aqui, moderados.

    A estupidez humana é ilimitada. e a vontade de nos fazermos “ouvir” é imensa!

    Aliáz, tinha acabdo de escreve a frase acima e digo que o Brexit, e o Trump partem de que os “pequenos” sentiram que não têm voz e usaram isso para se fazerem ouvir.

    • Marco Neves

      O tu está perfeito! 😉 O problema é que estes Zés são, muitas vezes, pessoas moderadas que, nestas questões da língua, perdem as estribeiras — e acabam por inquinar a leitura e a discussão com discussões e arrogâncias linguísticas sem lógica. Mas, sim, admito, é o meu moinho de vento. O purismo linguístico sempre existiu, não vou conseguir nada com estas irritações…

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close