Certas Palavras

Blogue de Marco Neves

O Zé não gosta do português dos outros

child-1099770_1280O Zé quer ter muitas partilhas no Facebook. Descobre então uma fórmula infalível: falar mal da maneira de escrever dos outros.

Como? É fácil: basta encontrar um erro qualquer e escrever um post bem sarcástico e bem exagerado. Que isto está cada vez pior! Que antigamente é que se escrevia bem! Que esta gente é estúpida! Que os portugueses do século XIX eram todos uns génios da língua e agora é o que se vê!

O Zé não encontrou nenhum erro naquele dia? Ah, não faz mal: basta inventar. Há sempre esta ou aquela expressão de que o Zé não gosta. Do «não gosto» é fácil passar ao «está errado». Porque sim. O Zé raramente tem dúvidas e nunca se engana, claro. Não investiga. Não dá o benefício da dúvida. Acusa, de forma prazenteira e muito sarcástica. Vê então os gostos e as partilhas e os comentários de concordância. «Ah, ninguém sabe escrever.» «Ah, antigamente é que era bom.» «Ah, os jovens — é só grunhidos!»

O Zé entusiasma-se. Cria então listas de palavras e expressões «erradas». Mistura erros a sério com invenções da sua lavra. Apresenta certezas e poucas dúvidas. O Zé fica contente: o Zé torna-se viral (embora provavelmente haja outro Zé qualquer que ache esta palavra um grande erro).

Ah, o Zé está satisfeito! Sente a doce solidariedade de todos os que estão convencidos que todos os outros são estúpidos (nós é que não).

Dúvidas? Para quê? O Zé entusiasma-se: está viciado nos erros dos outros. Sente-se bem, acha que está a proteger a língua. Se alguém se atreve a dizer que as coisas não são bem como ele diz, desata a disparatar: que são facilitistas, que aceitam tudo, que não respeitam a língua. E, assim, embalado, lá vai caindo numa visão fácil, que aceita qualquer ideia pouco pensada, que não respeita a língua… E no entretanto vamos ficando com menos paciência para conversar, com menos atenção ao que os outros dizem, obcecados que estamos com as manias do Zé, não vá o Zé irritar-se e apontar o dedo a uma qualquer inocente palavra da nossa língua.

Anterior

10 números deste blogue

Próximo

O que não quero dizer ao meu filho

2 Comments

  1. Paulo

    Tu (desculpa lá o tratamento por ‘tu’, visto que ainda não fomos formalmente apresentados – lê o livro da Lucy Pepper, como não morrer de fome em Portugal-, mas creio que, após alguumas trocas de comentários entre os dois, poderei usar esse tratamento), regressando ao tema, tu gostas mesmo de combater moinhos de vento, não gostas?

    Passando a explicar; o Zé descobriu o poder da palavra. E para se perceber isso, basta circular pelos comentários que o pessoal põe nos vários artigos de jornal.

    Por cada comentário minimamente inteligente, (é independente se concordamos ou não com o que é dito), há umas dezenas de comentários cretinos. E o mesmo se aplica ao facebook ou a outra qualquer rede dita social.

    E é também por isso que tu próprio tens os comentários aqui, moderados.

    A estupidez humana é ilimitada. e a vontade de nos fazermos “ouvir” é imensa!

    Aliáz, tinha acabdo de escreve a frase acima e digo que o Brexit, e o Trump partem de que os “pequenos” sentiram que não têm voz e usaram isso para se fazerem ouvir.

    • Marco Neves

      O tu está perfeito! 😉 O problema é que estes Zés são, muitas vezes, pessoas moderadas que, nestas questões da língua, perdem as estribeiras — e acabam por inquinar a leitura e a discussão com discussões e arrogâncias linguísticas sem lógica. Mas, sim, admito, é o meu moinho de vento. O purismo linguístico sempre existiu, não vou conseguir nada com estas irritações…

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén

Ao continuar a usar este website, autoriza a utilização de "cookies". mais informação

As definições de "cookies" neste website permitem a utilização de "cookies" para oferecer ao leitor a melhor experiência possível. Se continuar a usar este website sem alterar as definições de "cookies" ou se clicar em "Aceitar" está a autorizar o uso de "cookies".

Fechar