Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

E quando o tradutor automático é malcriado?

Tenho um aluno que está a fazer um trabalho sobre reconhecimento de voz em tradução — ou seja, sobre o uso de tecnologia para usar a voz para traduzir, o que parece aumentar a produtividade da tradução de forma inacreditável. Um dia ainda falarei aqui deste assunto (que descobri através de David Hardisty e Kevin Lossner).

O trabalho é sobre o reconhecimento de voz simples: o tradutor lê a sua tradução e o computador escreve — nada de tradução automática.

Mas o aluno decidiu pesquisar vários sistemas diferentes, incluindo alguns sites que fazem reconhecimento de voz, tradução automática e leitura dessa tradução em voz alta. Ou seja, eu digo qualquer coisa em inglês e o computador diz-me, alto e bom som, a tradução em português. Um intérprete automático, portanto.

Isto, claro, tirando as vezes em que o sistema falha — e a verdade é que pode descarrilar em alta velocidade.

Foi a um desses descarrilamentos que assisti ao experimentar esse sistema encontrado pelo meu aluno.

Digo «Hello!» e o computador devolve-me «Olá!».

Digo «Let’s translate something.», o computador pensa uns segundos e…

Peço que pousem as chávenas de café e se sentem.

O computador gritou-me, com óptima dicção:

«Gostosa do c*r***o.»

Sem os asteriscos, obviamente.

Depois de momentos de silêncio, o meu aluno e eu não conseguimos parar de rir durante uns bons minutos.

Ainda estou para saber como é que aquilo aconteceu. Talvez no mundo dos tradutores virtuais tenha passado uma tradutora automática que despertou o lado menos civilizado do algoritmo.

Presumo que aquele sistema ainda não venha a ser usado na interpretação de conferências internacionais durante alguns anos. O que, se calhar, é pena.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

O português do Brasil é falso?

Próximo

«Ora, “o comer” está errado porque… [introduzir regra inventada à pressão]»

4 Comentários

  1. Inêsp Monteiro Graça

    Levei porque achei que o método deve resultar para quem é tradutor, já a resposta…. De morrer a rir!!! ☺

  2. Hehehe… muito engraçado. Realmente as tecnologias de apoio à tradução tem avançado muito: o reconhecimento de voz e a tradução automática, mas ainda é preciso tomar muito cuidado, pois volta e meia aparecem na rede traduções anedóticas resultantes dessas ferramentas.

  3. Ricardo

    Seria possível saber qual é o nome desse sistema? Fiquei com cheio de curiosidade…

    • Marco Neves

      Infelizmente, não apontei. Vou perguntar ao aluno na quinta-feira.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close