Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

A saudade nos olhos da minha avó Leonor

img_0705

A semana passada, a minha avó Leonor fez 80 anos. Estivemos na festa dela, onde celebrámos essa mulher incrível, que fez tanto e passou por tanto quase sem pestanejar. Mas isso são coisas muito nossas, pouco interessarão aos leitores deste blogue. O que interessa talvez seja isto: enquanto cantávamos os parabéns, a minha avó sorria e chorava ao mesmo tempo. Tinha ali a família toda, mas faltavam alguns, ou porque estão longe ou porque já morreram. Falta o meu avô, que morreu o ano passado. Falta a minha tia, a filha mais nova da minha avó, que morreu em 2012. E faltam tantos outros, claro, a começar pelos pais. E, assim, a minha avó chorava e sorria, feliz e triste ao mesmo tempo. Ou seja, a minha avó tinha a saudade na cara, essa sensação de tristeza calorosa, uma felicidade que sente falta de si própria. Não me venham agora com esses discursos absurdos a dizer que só os portugueses sabem o que é a saudade. Isto é demasiado importante para essas tretas. Não, não, não: essa tal palavra é da nossa língua, mas há tantas palavras por esse mundo fora… E se há pessoas que não têm a nossa palavrinha para descrever o sentimento, podem escrever frases, parágrafos, livros inteiros numa qualquer língua para dizerem o que sentem — porque a saudade, essa, na verdade pertence a todos os seres humanos e faz parte das nossas vidas, dos nossos corpos, dos nossos sonhos e não se deixa apanhar por banalidades…

Mas também vos digo: em português ou noutra língua qualquer, escrevam-se os livros que se escreverem, ninguém consegue dizer exactamente o que a minha avô Leonor sentia naquele momento e o que sentíamos nós ali ao pé dela — naquele dia, naquele momento, a saudade era uma palavra só dela, porque eram as memórias dela que lhe passavam nos olhos, os abraços que deu e agora já não dá, ali a passar naquele sorriso e naquelas lágrimas.

Depois, no fim, dei-lhe um abraço e todos, ali, entre irmãos, filhos, netos e bisnetos, brincámos uns com os outros e fomos felizes durante uma tarde.

Anterior

«Mais pequeno»? Mata, mata! Esfola, esfola!

Próximo

A língua na vida real (e um restaurante numa cidade vandalizada)

2 Comentários

  1. Ernesto César Valente Fernandes

    Estás a escrever cada dia mais bem. Quero ver para onde encarreirarás. Deveria ter escrito melhor? Não interessa. Certo fraseado, lembra-me, O António Lobo Antunes. No transmitir sentimentos, estados de alma.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close