Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Sete animais escondidos na língua portuguesa 

A língua tem destas coisas: muitas surpresas, algumas voltas menos claras — e tem também alguns animais escondidos, que de vez em quando lá arrebitam a cabeça e dão um ar de sua graça nas nossas conversas e nos nossos escritos. Lembrei-me destes sete exemplos, embora saiba que há muitos outros animais escondidos na nossa língua: são os autarcas armados em dinossauros, são os espertos que nem raposas, são os sujos que nem porcos — mas deixemos os insultos para outro dia. Hoje quero animais inocentes. A começar na pulga…

  1. A pulga atrás da orelha. Haverá pulga mais simpática do que aquela que se esconde por trás da nossa orelha? Sim, é simpática, mas também perigosa. Às vezes, uma frase dita assim de passagem, uma palavra com uma certa entoação, uma alusão muito vaga, muito disfarçada, uma conversa que deixamos passar por distracção — e ficamos com a tal pulga a picar-nos a pele por trás da orelha. E a partir daí, começamos a puxar o fio à meada e às vezes a coisa começa a transformar-se numa bola de neve. Bem, chega de lugares-comuns. Qual é o próximo animal?
  2. Cobras e lagartos. Dizemos dos outros cobras e lagartos — que, coitados, nem sabem o uso que têm na nossa língua. Eles que até são tão pachorrentos, apesar dos medos que temos na cabeça. Quer lá a cobra saber do que andamos a maldizer. O que elas querem é paz e sossego (e um ou outro animal para matar a fome).
  3. Lágrimas de crocodilo. Não deixando o mundo dos répteis, temos ainda os crocodilos que choram a fingir. Quer dizer, na verdade somos nós, animais matreiros como poucos, que andamos a inventar essas calúnias sobre os bichos.
  4. Cães e gatos a caçar. Por cá, não dizemos que os cães e os gatos chovem, como em inglês. Mas dizemos que quem não tem cão, caça com gato. E olhem que se calhar até ficamos bem servidos, se o objectivo for caçar moscas ou ratos (ou coelhos). Ou qualquer coisa pequena que se mexa muito.
  5. Nem que a vaca tussa. Não sei muito bem porque não há-de tossir a vaca, mas pronto, a língua é assim (ou se calhar a língua até acertou e a vaca não tosse mesmo). Mas diga-se que o pacato animal, nesta expressão, até tem sorte. Quando chegamos ao mundo dos insultos, a coitada da vaca está bem servida, está.
  6. Bicho-carpinteiro. Aquilo que se mete nos móveis — mas também nas crianças e aí é que (7) a porca torce o rabo. Só o sono ou às vezes os desenhos animados aliviam essa comichão que deixa os putos aos saltos, às vezes sem saber o que fazer. Há dias em que o único antídoto é uma boa história contada no sofá, de preferência com animais que falam.

São vacas a tossir, porcas a torcer o rabo, crocodilos a chorar… Já sabemos que isto, no fundo, são tudo bichos na nossa cabeça. Será que algum destes animais, ao falar com um amigo, encolhe os ombros e diz «não sejas complicado como um humano»?

27 de Dezembro de 2016

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

Doze deliciosas palavras deste Natal

Próximo

Quem quer casar com um homem tão pesado?

28 Comentários

  1. José Júlio da Costa-Pereira

    CONHECIA ERA A EXPRESSÃO : Não deixo que me façam o ninho atrás da orelha.
    NO SENTIDO: A mim não deixo que me enganem ou me tentem ludibriar-

    O MEU BISAVÔ UTILIZAVA A EXPRESSÃO: Bresundela indistintamente também como ,a hoje tão falada GERINGONÇA .Desta última sabemos o sentido,mas da BRESUNDELA.nunca consegui obter uma informação concreta.
    Coisas antigas e outras que os meus 85 anos,arrecadaram no nosso armazém mental.
    Cumprimentos,reiterando os meus desejos de que tenha um feliz NOVO ANO,repleto de coisas positivas,mas,especialmente felizes.
    COSTA-PEREIRA

  2. Helder Gonçalves

    mais alguns exemplos!
    – O primeiro milho é para os Pardais.
    – Aqui há gato! ( com ou sem rabo de fora).
    – … Ou entra mosca ou sai asneira.

  3. Margarida Costa

    …e aqui vai outro exemplo:
    – depois de ele ouvir o que ouviu, teve de engolir sapos…

  4. Elsa Maria Moura

    …Quando as galinhas tiverem dentes!!!

  5. maria oliveira

    E mais uma – “vê-se o piolho na costura lavada…”

  6. Isilda Moniz Gomes

    Mas isso são só macaquinhos no sótão.

    • António

      Sempre melhor do que os macaquinhos na cabeça. E muito, mas muito melhor do que os macacos do nariz.

    • António

      Se não gostar do meu comentário acerca do que vai em algumas cabeças e do que se pode tirar do nariz, tenha a bondade de me mandar pentear macacos.

  7. Paula Carvalhal

    Marco

    Por mero acaso tropecei agorinha mesmo numa palavra, na qual a fera está tão bem escondida que lhe deve ter escapado… Piurso!

    O corretor automático ficou “piurso” comigo.

    Boas entradas e um 2017 repleto de Palavras bem “vivinhas”, repletas de emoções partilhadas e construtivas!!

    Obrigada,

    Paula Carvalhal

  8. Emanuel

    “Quando os sapos ‘atrepam’ que farão os saltões?”

  9. Na Galiza dizemos “Outra vaca no milho”, para indicar que uma pessoa cometeu o mesmo erro que outras.

  10. Joaquim Jordão

    Devo confessar que passo muitas vezes por este blogue como cão por vinha vindimada.

    É que há tanta coisa a distrair-nos na net, todas ao mesmo tempo a tentar atrair a nossa atenção, tudo num treco lareco, pardais ao caneco…

    O caso é que, na minha já provecta idade, custa-me adaptar-me a estas novas tecnologias. Lá está: mula velha não toma andadura (e se toma, pouco lhe dura).

    Ainda se ao menos eu conseguisse acordar com os pardais e vir para a net logo de manhãzinha bem cedo, antes desta agitação… Aí sim, era capaz de me deter a saborear este ou aquele texto mais interessante, que isto, já se sabe: Primum milium pardalorum est.

    Em suma: outro galo cantaria.

    Ainda assim, vá lá que, de quando em vez, aqui me detenho em Certas Palavras, e tenho apreciado, diria até saboreado, um ou outro dos textos aqui publicados.

    Sim, que eu não sou como o porco (animal de vista baixa, com licença de vossa senhoria), que engole sem saborear tudo o que lhe botam na gamela.

    Mas pronto, também não me vou pôr aqui a dizer cobras e lagartos deste blogue que tantas coisas boas me tem proporcionado. É que, lá diz o ditado: a cavalo dado não se olha o dente.

    Por último, permito-me recomendar ao Marco que não dê demasiada importância a essas carraças que estão sempre a inventar erros na língua portuguesa. Deixe-os papaguear à vontade, que cão que ladra não morde.

    • Marco Neves

      Este comentário vale mais do que o próprio artigo! Muitos parabéns — e obrigado por cá aparecer de vez em quando.

      • Patjota

        Dizem que “filho de peixe sabe nadar”…pois, não é bem o caso!…o meu Papá é fantástico!…e eu só posso dizer que “cada macaco no seu galho”!

    • Patjota

      E…rebéu béu béu, pardais ao ninho!

    • Patjota

      E, também, depois do bacalhau da consoada, devemos dizer que “peixe não puxa carroça”!
      E espero que amanhã não estejam muitas gaivotas no porto!…porque…”gaivota em terra…

    • Maria Silva

      Gostei do artigo, mas apreciei imenso este comentário. Parabéns

  11. Burro velho não aprende… Línguas? 😉

    A mãe galinha dizia: Os cães ladram e a caravana passa.

    E já agora, uma saudação muito especial ao Joaquim Jordão pela tão poética e inspirada resposta. Parabéns.

  12. Esperança Marreiros

    Aqui pelos algarves, em certas regiões. Olhão, Fuzeta,…. diz-se”tá o mar fête num cão”.

    • Jose Antonio Sousa

      Há quem, só com um copinho, fique com um grãozinho na asa e comece a arrastar a asa à mulher do vizinho. Este chateia-se, e o pândego tem de bater a asa.

  13. Gustavo Costa

    Concordo com tudo, desde que não me vendam gato por lebre.

  14. Carlos Rocha

    O “bicho carpinteiro” não será uma adulteração de “bicho no corpo inteiro”?

  15. Luis

    O “bicho carpinteiro” não será uma adulteração de “bicho no corpo inteiro”?

  16. Carmo

    Lembrei-me de “Já a formiga tem catarro”.

  17. Carmo

    E ainda “Vozes de burro não chegam ao céu”.

  18. Lola Canosa

    Algo que não tem valor ou importância: “água de ouriços”. Na Galiza marinheira.

    Quando alguém está mui delgado: “Fino como um rabo de bacalhau”

    Quando uma coisa não é mui boa, mas é para alguém pouco importante “para quem é o burro, bem vale a albarda”

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close