Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Sete palavrõezinhos do português

suit-673697_1920

Apetecia-me apresentar-vos a origem de alguns palavrões, mas isso pede-me algum tempo que por estes dias não tenho. Pois, sendo assim, lembrei-me de vos trazer os meus palavrõezinhos preferidos. Sim, aquelas palavras que ou são velhos palavrões que perderam a força ou são palavras com alguma afinidade fonética com algum palavrão e que vêm em auxílio do nosso cérebro quando nos cai a boca para o palavrão e não queremos dizer as sílabas todas…

  1. «Bolas.» Não sei muito bem donde virá este palavrãozinho, mas é bem possível que tenha começado como um grande palavrão. Pois, de caminho, lá foi perdendo força. Não sei — talvez esteja enganado e a palavra nunca tenha tido nada a ver com o que todos estamos a pensar. Ora bolas!
  2. «Chiça.» Chiça penico — e pronto, lembro-me do Shrek. Andei à procura da origem desta palavra, mas não encontrei nada de jeito. Terá alguma coisa a ver com a Scheisse alemã? Poderá um palavrãozinho tão português ter origem bem germânica?
  3. «Caraças.» Dá muito jeito, então não dá? Uma pessoa começa a dizer «ca…» e acaba doutra maneira, para não ficar atrapalhado. É uma palavra do caraças! E serve para quase tudo: é pior que o caraças, vai pò caraças, caraças, pá!
  4. «Carago.» Será que as gentes do Norte dizem mesmo «carago» muitas vezes? É que eu cá nunca os vi a evitar outras palavras um pouco mais fortes. Não será uma caricatura sulista e os nortenhos, na vida real, dizem sempre a outra palavra? Fica a pergunta…
  5. «Fogo.» E aqui temos outra palavra que começa exactamente como um certo palavrão. Damos com um dedo na porta e dizemos «FO…» e mais calmos acabamos em «…go». É para isto mesmo que servem os palavrõezinhos. Se o dedo estiver mesmo partido, aconselho vivamente acabar em «…da-se». Dizem que faz bem.
  6. «Fónix.» Sim, eu sei: no fundo este é outro dos palavrõezinhos do tipo «fo… deixa-me lá arranjar outra palavra para não parecer mal». Mas sempre lhe achei muita piada: pois lembra-me fénix, como se tal ave ressuscitasse das cinzas e lhe saísse um «fónix, outra vez?». Delírios muito meus, claro está. Ah, sim, eu sei que fénix termina com o som «ch», mas o que querem? O raio da palavra tem lá o «x»…
  7. «Raisparta!» Há muitos, muitos anos, ia eu muito bem pela estação de Entrecampos com o meu amigo Luís ao lado quando passa um comboio da Fertagus e apita mesmo ali ao pé de nós. Dei um salto e sai-me este grande palavrão: «Raisparta!» Gritei de tal maneira que o Luís se virou de lado e disse: «Agora grita aqui no outro ouvido, que é para ficar surdo dos dois.» Fiquei sem saber que raio de cérebro tenho eu que preferiu um «raisparta» a um bom «f…». E também não sei se o maquinista fez de propósito ou não…

Para outro dia ficam os palavrões mesmo a sério. Mas hei-de aqui escarrapachá-los — e até espero não perder muitos leitores! (No entretanto, não se esqueçam daquele segredo da língua em que tento explicar por que razão os palavrões nos põem o coração aos saltos — é o 9.º, se bem me lembro…)

E, já agora, qual é o vosso palavrãozinho preferido?

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

Dicas da Língua — 1. Não tenha medo de usar a palavra «dica»

Próximo

Dicas da Língua — 2. O travessão (—) é diferente do hífen (-)

3 Comentários

  1. Manuel

    O “chiça” sempre me soou ao “Jesus” inglês com sotaque; fiquei com essa ideia ouvindo amigos de Moçambique ou África do Sul que o utilizam regularmente.
    O meu preferido: bolas! é o mais suave. Noutro tempo já disse muitos mais fortes, agora só se apanha-se mesmo o dedo na porta.

  2. António Cavadas Gomes de Jesus

    De todos os palavrãozinhos acima descritos há um que me ressalta à face, não por ser assim tão grosseiro mas, porque percebi que o autor não conseguiu “acertar-no-cravo” ao descrever a seu significado, na sua expressão real. Não pretendo, em absoluto, vangloriar-me da proeza de poder afirmar que estou completamente certo quando der a minha opinião mas, sim, contribuir para o esclarecimento do que, penso ser, o significado popular desta palavra: CHIÇA é uma ordem que se dá aos um animais, mormente suínos, no sentido de fazê-los recuar, afastar-se ou quando se pretende repeli-los para que se retirem, quase sempre esta palavra é acompanhada ou seguida de um gesto feito com as mãos e braços indicando a ordem que deve ser executada. A origem desconheço mas a expressão “chiça-penico” é muito usado nos meios rurais para demonstrar estupefacção, espanto ou admiração.

  3. Alzira Serra

    Gostei da teoria da ” caricatura sulista” que tentaria explicar que o “carago” nortenho afinal não o era (dito, claro). Mas nisso se engana o meu caro Marco Neves. É que as gentes do Norte, e mais propriamente as do Porto, dizem efectivamente a palavra “Carago”. Se é para substituir o vernáculo “car***o ou não, isso já não consigo afirmar, até porque eles não se coíbem de o dizer, alto e bom som, em momento nenhum.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close