Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

A tradução não é impossível (ou como António Lobo Antunes também se engana)

Na última crónica da Visão, António Lobo Antunes elogia o livro de poemas Sombras e Falésias, do poeta romeno Dinu Flamand. Logo a seguir, elogia também a tradução. Mas acrescenta: a tradução é como um retrato — é aquilo e não é aquilo. Daí que — conclui — «qualquer tradução de uma obra seja impossível, qualquer retrato imperfeito».

Esta última frase é um pouco exagerada. Da imperfeição à impossibilidade vai um universo de distância. Sim, os retratos não substituem as pessoas — mas não são impossíveis: são retratos! As traduções também são muitas vezes imperfeitas, mas serão mesmo impossíveis? Estará um leitor a enganar-se quando lê uma tradução?

Ah, respondem-me: Lobo Antunes quer apenas dizer que a tradução implica perdas. Talvez implique — mas também implica um ganho para muitos leitores. Reparem: será que António Lobo Antunes lerá melhor aquele livro no original romeno do que se o ler em tradução? Já o ouvi dizer em entrevistas que gostava de saber russo para ler no original os grandes escritores da Rússia — compreendo-o perfeitamente. Mas se os lesse em russo, a não ser que passasse anos e anos a estudar, iria talvez perceber menos do que quando lês as traduções.

Outra maneira de dizer o mesmo: não será verdade que um leitor português que leia Shakespeare em tradução percebe mais do que um inglês comum que leia os textos no inglês original? Então se compararmos a leitura da tradução com a leitura do original por parte do mesmo português… O trabalho do tradutor está ali a aproximar-nos da obra, uma obra de que estamos distantes por razões linguísticas, culturais, temporais…


Como António Lobo Antunes diz na mesma crónica: «Um poema, por exemplo, é mais do que um poema, uma mulher ou um homem é mais do que uma mulher ou um homem. Falta sempre algo vital que é inapreensível e esse inapreensível, e só esse inapreensível, é verdadeiro.»

Ora, isto é assim mesmo: há muito que não conseguimos dizer, há muito que não conseguimos ler. Mas o problema não é a tradução: é a vida, é a linguagem. Não é por lermos uma tradução que não chegamos ao âmago do livro, ao espírito do autor, à essência da obra — esse âmago, esse espírito, essa essência também dificilmente estão acessíveis aos leitores do original.

Sim, os tradutores, com o seu trabalho de leitura e reescritura, enganam-se algumas vezes. Mas não se esqueçam que são os únicos leitores que mostram ao mundo a leitura que fazem. Quantos leitores do original não se enganam sem que ninguém saiba, nem eles próprios? Por outro lado, quando lemos uma tradução estamos a ler o que não leríamos doutra maneira. E isso vale muito.

O curioso é que Lobo Antunes dá muito valor aos tradutores: afinal, já dedicou um dos seus livros a uma das suas tradutoras. Enfim, o escritor enganou-se numa frase. Mas quem nos dera a nós enganarmo-nos tão bem como ele, que é um cronista como não há nenhum.

Anterior

Que cidade espanhola usa o brasão português?

Próximo

Cem Maneiras de Melhorar a Escrita

4 Comentários

  1. Eu sinto o mesmo que Lobo Antunes…
    Já o escrevi: uma tradução, por bem feita que seja, perde sempre algum sabor.
    Sim, sabor, é o termo: é um sussurrar , um sibilar de sons, um jeito de dizer que não cabe inteiramente na outra língua!
    Devo acrescentar que gosto muito do que vou lendo por aqui, principalmente o desmistificar de ideias feitas.

  2. Félix do Carmo

    Fantástico, Marco, uma vez mais. É isso mesmo: usando o termo da comentadora anterior, se o prato que provas tem um sabor extraordinário, por que razão sonhar com outro sabor que ele teve?

  3. Luísa Bernardes

    Claro que concordo
    que uma tradução é preferível a uma não leitura dum livro, embora também concorde que não seja a mesma coisa!
    Eu conheci (já faleceu) uma senhora alemã que vivia em Portugal, mas o português dela era muito mau, no entanto fez algumas traduções de livros de AQUILINO RIBEIRO! E eu imagino sempre como serão, não sei alemão, mas calculo que o resultado não será grande coisa…

  4. cristina bluemel

    Uma boa tradução é como a casa de um amigo: sentimo-os como se estivéssemos em casa, mas sabemos que não é a nossa casa.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close