Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

O tradutor ou o leitor generoso

don-quixote-statue-677914_1280

Sim, o que tenho para vos dizer hoje é algo estranho: era bom que lêssemos todos como lêem os tradutores.

O que quero dizer com isto?

Simples: o tradutor lê, em primeiro lugar, para perceber as ideias de quem escreve. Suspende por momentos a irreprimível tendência para criticar e impor as suas próprias ideias e preconceitos no texto que está à frente.

Não é possível fazer isto a 100%, como sabemos. A objectividade pura é coisa que não existe. Mas isso não é desculpa para desistir — e o tradutor, diga-se o que se disser, tenta. Pelo menos, direi eu, os bons tradutores tentam.

Ora, podem responder-me os leitores menos generosos, não seria melhor afinarmos o espírito crítico e atacar de imediato as ideias que nos põem à frente?

Talvez. Peço-vos, no entanto, que considerem o seguinte: o espírito crítico é essencial, mas primeiro temos de saber ouvir as ideias dos outros de forma o mais generosa possível. Só se tentarmos ouvir, podemos depois criticar. A nossa tendência é criticar primeiro e ler depois.

Por tudo isso, digo-vos que o tradutor representa o tal leitor generoso, aquele que lê o que tem à frente da melhor forma possível, que não está logo com sete pedras na mão para atacar as ideias dos outros.

Mais: o espírito crítico tem de se aplicar em primeiro lugar às nossas próprias ideias — e não tanto às ideias dos outros. Ou melhor, tem de se aplicar a todas as ideias, mas como temos tendência para confiar em demasia nas nossas ideias e desconfiar à partida das ideias dos outros, mais vale compensar essa tendência e desconfiar mais das nossas ideias e dar uma oportunidade às ideias dos outros. (Note-se que convém incluir no conjunto das «nossas ideias» as ideias daqueles em quem confiamos e as ideias típicas dos nossos grupos — família, partido, clube, religião, etc. Todas estas ideias que são nossas merecem que estejamos especialmente atentos, porque confiamos demasiado nelas. Não quero dizer que estejam necessariamente erradas: quero dizer apenas que temos tendência para baixarmos as guardas perante as ideias dos nossos.)

Em suma: o tradutor lê e tenta ser fiel ao que diz o outro. Para isso, tem de compreendê-lo, tem de ser generoso. Pode, depois, perceber que não concorda e atacar implacavelmente aquilo que lê. Mas esse primeiro gesto de leitura generosa é muito importante — e tão, mas tão difícil…

UMA VERSÃO REVISTA DESTE ARTIGO FOI PUBLICADA NO LIVRO
DOZE SEGREDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA.

LIVRO

Anterior

Sete dicas para rever as nossas próprias traduções

Próximo

Os livros e a sorte (e ainda poetas que traduzem ciência)

1 Comentário

  1. Concordo com a sua noção de que o leitor deve ser generoso; acho que muitos vêem a leitura como um duelo, quando devia ser como um par de dança.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close