Certas Palavras

Línguas, livros e outras viagens

Traduzir também implica escolher o sexo do primeiro-ministro

britain-20526_640

Estive a ver o primeiro episódio duma nova série americana: Sobrevivente Designado. Um ataque terrorista durante o discurso do Estado da União mata toda a estrutura de governo dos E.U.A. Morre o presidente, o vice-presidente, os ministros e todos os congressistas. Ah, e ainda os juízes do Supremo Tribunal, para não se ficarem a rir.

Todos, não: há sempre um ministro que se mantém escondido para que os E.U.A. não fiquem sem governo em caso de ataque (e é mesmo verdade: esse sobrevivente designado existe na vida real).

Ora, mas nada disto interessa. Aliás, interessa, mas vejam antes a série, que um post num blogue não é substituto para tal prazer.

O que me traz aqui é outra coisa: a certa altura, o tal sobrevivente designado, entretanto alçado a presidente, recebe um telefonema de condolências do «prime-minister», que todos percebemos ser o chefe de governo do Reino Unido.

O tradutor fez uma coisa engraçada: traduziu por «primeira-ministra». Nada a apontar, claro. Afinal, hoje temos mesmo uma primeira-ministra em Londres — mas imagino que, tivesse a série sido lançada em Maio, a tradução teria sido «primeiro-ministro».

Isto é apenas para vos apontar um aspecto pouco conhecido do trabalho de tradução: às vezes, temos de definir algo que, no original, é ambíguo — e tudo por causa da maneira como cada língua funciona. Há certas ambiguidades que o tradutor tem de resolver — e por isso a tradução implica quase sempre fazer escolhas. Estas escolhas podem ser discutíveis, claro está — mas não há tradutor que lhes possa escapar.


Lembrei-me agora doutro caso em que o tradutor tem de escolher o sexo do primeiro-ministro britânico. Num dos livros de Ian McEwan — The Child in Time — há uma personagem chamada «prime-minister».

O livro foi publicado nos anos 80, mas passava-se num futuro pouco distante (se bem me lembro, no final dos anos 90). O sexo do primeiro-ministro era importante: será que nesse futuro Margaret Thatcher ainda seria a primeira-ministra? De certa maneira, a leitura mais ou menos política da obra dependia desse pormenor — mas Ian McEwan nunca dá a resposta. Já a tradutora portuguesa teve mesmo de fazer a sua escolha…

Anterior

Feliz Dia do Tradutor!

Próximo

Guterres e o talento para as línguas dos diplomatas portugueses

6 Comentários

  1. Luciano

    Diga isso aos tradutores escandinavos. Quando veem avô e avó (em qualquer língua), têm de optar entre farmor (mãe do pai), mormor (mãe da mãe), farfar (pai do pai) e morfar (pai da mãe). Imagino que muitos que já tiveram de traduzir a palavra só se deram conta no final do texto de que a sua opção estava errada e tiveram de substituir todos os casos referentes a esse parente.

  2. Ana Schäffer

    Obrigada pelo post. Gostaria de ler mais matérias sobre as marcas de gênero na tradução.

  3. Relativamente à segunda parte do artigo, aquela em que o romance aponta para um futuro desconhecido, parece-me muito bem a exposição do Marco. Já no que diz respeito ao telefonema do Reino Unido para as condolências, não pode haver dúvidas na tradução: se é “the prime-minister” só há uma solução – o telefonema é feito por um homem ou por uma mulher?

    • Marco Neves

      O telefonema é recebido por um homem (o presidente dos EUA), mas o interlocutor nunca se vê e nunca se ouve e, por isso, não sabemos se é uma primeira-ministra ou um primeiro-ministro.

  4. Luciano

    Um problema com que me confronto frequentemente (sou tradutor) diz respeito às línguas eslavas. Como a maioria delas não tem artigo, eu tenho de imaginar que artigo, definido ou indefinido, pôr na minha tradução, e muitas vezes os dois artigos são possíveis, mas com significados diferentes. Às vezes o contexto me dá subsídios para isso, mas às vezes não.

    • Marco Neves

      Exacto! É mais um dos casos em que o tradutor tem de fazer mais escolhas do que o autor.

Deixar uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close