Pode ser difícil de acreditar, mas o abuso de certas palavras faz mal à saúde. Reparem nestes três exemplos:

“Natural”

Na cabeça de muitas pessoas, o uso da palavra “natural” é suficiente para tornar qualquer medicamento seguro e benéfico. Ora, os produtos naturais podem ser tão ou mais perigosos do que qualquer produto artificial. É necessário realizar testes bem-feitos para chegar a conclusões e perceber os efeitos secundários de tudo o que tomamos. Há muitos venenos perfeitamente naturais…

“Quântico”

Para dar um ar científico e muito actual a algum tratamento fraudulento, nada melhor do que usar a palavra “quântico”. O efeito é parecido com o da magia: tudo é fácil e nem é preciso explicar. Ainda por cima, a palavra tem aquele ar de modernidade misteriosa a que algumas pessoas não conseguem resistir.

“Energia”

Os cientistas sabem bem o que é a energia e descrevem-na de forma muito precisa. Para o comum dos mortais, é uma palavra suficientemente misteriosa para servir como uma espécie de oração: invocamos as energias cósmicas e tudo fica bem.

Estes são apenas três exemplos de palavras perigosas. Perigosas porquê? Porque o seu abuso embriaga a mente de quem as ouve, obscurecendo o pensamento e levando a decisões erradas na área da saúde. Também nisto consiste o bom uso da língua portuguesa: conhecer o poder para nos enganar que certas palavras têm.

Foto: Markus Spiske / www.temporausch.com / CC-BY

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Saiba mais nesta página.