Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Uma alhada das antigas (e o mundo num botão)

Já sei, já sei: devia estar a escrever a continuação daquela história do tesouro que escondemos dos espanhóis. E estou! Mas demora, porque tudo aquilo dá muitas voltas e aqueles pobres namorados nem sabem bem onde estão metidos.

Mas lá chegaremos. Agora tenho de cumprir uma promessa que fiz a mim mesmo. Uma espécie de desafio parvo que inventei e que tenho de cumprir sob pena de não me conseguir olhar ao espelho.

Então, deixem-me lá contar-vos como me meti nesta alhada.

Estava eu numa daquelas sessões que nos calha a todos em que temos de ir às compras e vemo-nos na aborrecida situação de esperar que a nossa mulher experimente roupa de vários tamanhos e feitios. Não me estou a queixar! Também tenho de comprar roupa e a Zélia espera e ajuda-me quando é preciso. Faz parte da vida…

Mas, enfim, ali enfiado no meio de prateleiras de roupa, pensei passar aqueles minutos usando a mais poderosa ferramenta para matar tempo: a Internet no telemóvel.

Sim, até podia ter lido um livro, mas eram poucos minutos e estava com a cabeça muito nas nuvens. Também podia ter ido ao Facebook. Mas está muito visto.

Vai daí, fiz uma coisa daquelas mesmo estranhas: fui à Wikipédia e carreguei no botão «Random». Para ler um artigo ao calhas.

Pois é: não sei se sabem, mas a Wikipédia dá-nos a possibilidade de escolher um artigo ao calhas entre os milhões e milhões de artigos criados por pessoas de todo o mundo. É fascinante ver toda a estonteante variedade do mundo naquele mundo reduzido duma enciclopédia criada pelos seus próprios leitores.

Descobri nessa loja de roupa que o botão é viciante. Vá: experimentem. Carreguei várias vezes e fui desde flores que só existem no Brasil até edifícios históricos dos E.U.A., passando por campeonatos de ténis dos anos 70, conceitos de linguística, a lista de todos os senadores canadianos que começam pela letra Y (a sério!), álbuns de cantores pimba australianos e um grande e aterrador et caetera.

Ah, e jogos de computador que só os japoneses conhecem. E ruas duma aldeia da Áustria. E estátuas em São Petersburgo. E posições sexuais que não lembram ao diabo (ou melhor, ao diabo lembram, mas a mais ninguém).

É mesmo viciante. Admito: talvez seja um vício muito restrito e pouco interessante. Mas não conseguia parar de carregar no botão para saber até onde me levaria neste mundo louco. Lembrou-me, assim muito vagamente, aquela série da minha adolescência, Quantum Leap, em que a personagem nunca sabia onde iria cair no episódio seguinte.

Bem, aos saltos pelo mundo virtual, a verdade é que continuava no mesmo sítio. A Zélia sai do provador, o feitiço desfaz-se, eu sorrio — e lá saímos os dois dali para fora (os dois, sim: o Simão estava a passar o serão em casa dos primos que isto de ir às compras com o filho é uma categoria de pesadelo que não vem na Wikipédia).

Foi então que me lembrei deste desafio: pensei para comigo — tenho de ser capaz de escrever um artigo sobre o assunto que me calhar nesta roleta russa maluca.

Ou seja: carrego no botão e tenho de escrever qualquer coisa sobre o tema que de lá sair. Seja ele qual for: o primeiro presidente da Câmara de Frenchville, Maine? Sai artigo! A posição sexual preferida de Hitler? Vamos a isso! A lista de deputados do Uganda? Com certeza!

Sorri. Era isso mesmo. Estava decidido. Ia mesmo desafiar-me a mim próprio. O blogue nunca mais seria o mesmo!

Mas, já com o polegar em cima do botão, hesito. Porra: e se me sai uma coisa intragável? Ou para maiores de 18? Ou tão desinteressante que nem o Garrett conseguiria escrever alguma coisa de jeito?

Mas um desafio é isso mesmo: um desafio. Tenho de me aguentar à bronca…

Estou a andar ao lado da Zélia quando carrego no botão e o mundo começa a rodar à minha volta. Sinto-me transportado milhares e milhares de quilómetros.

O que me calhou nesta rifa do mundo inteiro? Bem, conto-vos no tal artigo, que será o próximo.

Podia ser pior, mas não deixa de ser uma grande alhada. Veremos como me safo desta.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

A História Secreta da Língua na RTP1

Próximo

Paixão e montanhas-russas

3 Comentários

  1. Adrian

    É a minha página favorita de toda a internet!

  2. Margarida Costa

    Vai sair tão bem , quanto entrou.
    Quem entra no ” Random”, jamais sai do botão..

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close