Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Cinco ideias falsas sobre tradução

creative-smartphone-notebook-typography

1. “A tradução é impossível.”

Sim, anda por aí uma ideia muito engraçada e que repetimos à exaustão sem pensar muito nela (por exemplo, quando falamos da supostamente intraduzível “saudade“): a tradução, segundo essa ideia, é impossível. Há quem ache que nunca podemos transmitir o que é importante entre as várias línguas — e, no entanto, todos os dias há quem faça traduções e todos nós usamos traduções sem nos apercebermos. É uma actividade “impossível” que afinal é bem possível. A tradução pode ser difícil (claro que é), mas não é impossível: os tradutores lá conseguem desenvencilhar-se melhor do que por aí se julga. E, se pensarem bem, a comunicação é bem mais difícil entre pessoas que falam a mesma língua, mas pensam de formas muito diferentes do que entre pessoas que falam línguas diferentes, mas têm ideias semelhantes.

2. “A tradução é demasiado fácil.”

Se alguns acusam a tradução de ser impossível, muitos dizem que é tão fácil que até o primo de 9 anos sabe traduzir. Não há muito a dizer perante isto: é claro que, às vezes, é fácil traduzir — enquanto outras vezes é trabalho a raiar (lá está) o impossível. Tal e qual como escrever: todos nós sabemos fazer listas de supermercado, mas há muito poucos verdadeiros escritores — e também muito poucos que saibam redigir um manual técnico de uma qualquer área. A linguagem é imensa: para usá-la como deve ser pode ser preciso criatividade, ou conhecimentos técnicos avançados, ou paciência, ou muito trabalho — tudo isso também acontece com a tradução, em que para além de trabalhar com a nossa própria língua, temos de lidar com outra língua, com as suas manias e absurdos (que todas têm) — isto para não falar da língua própria de cada área técnica, por exemplo, e com todas as ferramentas necessárias para fazer um bom trabalho.

3. “A tradução não serve para nada.”

Por estes dias em que — supostamente — todos falam inglês, muitos sentem, intimamente, que a tradução tem os dias contados. E, no entanto, ela existe e cresce. A verdade é esta: podemos falar inglês e usá-lo para longas conversas com amigos doutras línguas e para negociar sem grandes dificuldades, mas quando queremos ler alguma coisa, seja literatura da boa ou um banal catálogo, continuamos a preferir a nossa própria língua. Não há maior tiro no pé do que uma empresa que quer vender, por exemplo, em França e publica os seus catálogos e a sua publicidade em inglês (além de ser, em muitos casos, proibido).

4. “A tradução é pouco criativa.”

A tradução exige grande criatividade. É uma criatividade um pouco diferente da criatividade da escrita (embora também tenha muito desta). É uma criatividade relacionada com a resolução de problemas, com a procura de soluções. Se quiserem, podemos dizer que é uma criatividade que tem de incluir muito da criatividade da escrita, conciliando-a com a fidelidade ao nosso texto de partida: é a criatividade necessária para reproduzir a originalidade e surpresa de um outro texto no nosso próprio texto, que tem de ser original e surpreendente sem deixar de ser fiel. É difícil e cansativo — mas também um desafio magnífico para quem gosta de trabalhar com palavras e de defender a comunicação e a arte.

5. “A tradução é rápida.”

Quase nunca é rápida. Por vezes, demora mais tempo a traduzir um texto do que a escrevê-lo (quem escreve pode optar por ir por outro caminho se determinada palavra for um escolho; quem traduz tem de resolver todos os problemas que lhe aparecem pela frente). Infelizmente, esta ideia falsa leva a pedidos de tradução com prazos absurdos, em que depois de um mês a escrever um catálogo, alguém pede a um tradutor para o traduzir em dois dias. Traduzir é um pormenor, não é? Para outro exemplo, agora da área da legendagem, leiam este artigo da Luísa Ferreira sobre como traduzir um filme demora muito mais do que a duração do próprio filme — para quem traduz, isto é óbvio; mas para muitas pessoas, traduzir é tão fácil como falar. E está tão longe disso que até dói — dói, literalmente, depois de dias de trabalho intenso.

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

A irresponsabilidade mortal dos anti-vacinistas

Próximo

Não escrever para não errar?

3 Comentários

  1. Estando a traduzir um romance pela primeira vez, só posso dizer que este artigo está completamente correcto.

  2. Carmo Romão

    A traduzir o romance cento e tal, só posso dizer que este artigo está, todo ele, correto.

  3. Luisa L

    Correctissimo, na tradução técnica o tempo necessário para pesquisa é muito, traduzindo sempre na mesma área, há muitos anos.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close