Certas Palavras

Livros, línguas e outras viagens

Fernando Pessoa em mirandês

Sabiam que é possível ler Fernando Pessoa em mirandês? Ora vejam:

MIRANDÊS......

Esta é a edição em mirandês da Mensagem de Fernando Pessoa:

MENSAIJE

Agora, perguntam algumas pessoas, por que raio alguém traduziu para mirandês um livro que todos os falantes de mirandês podem ler no original?

A questão é complexa…

Primeiro, presumo que tenha sido por prazer. O tradutor, Fracisco Niebro (também conhecido por Amadeu Ferreira), fala mirandês e é um dos seus grandes defensores. Traduzir é também um prazer, principalmente quando não temos prazos para cumprir, gostamos da obra — e queremos defender a língua para a qual estamos a traduzir.

Segundo, é uma forma de tornar mais literária a língua em questão (o mirandês). A tradução sempre serviu para isso — e não imaginam os doutoramentos que já se fizeram com base neste facto.

Terceiro, a tradução de obras marcantes da literatura e cultura portuguesas marca uma característica específica da promoção do mirandês: é feita como forma de promoção da cultura portuguesa e não como sintoma de nacionalismo, regionalismo ou outro ismo. Os defensores do mirandês insistem que esta é a segunda língua nacional de Portugal — não querem sublinhar o seu carácter regional, ao contrário do que acontece mesmo aqui ao lado.

Estes três pontos não respondem inteiramente à questão. Não sendo um sintoma de regionalismo, por que razão querem os falantes manter esta língua? Há aqui uma relação emocional muito forte com a língua dos nossos avós, uma tentativa de manter uma ligação a um passado talvez um pouco idealizado. Pode ser isto e muito mais. Claro que voltaremos a esta segunda língua portuguesa.

Para terminar, oiçam um pouco de mirandês, só para conhecerem a sonoridade da língua:

O meu livro mais recente é A Baleia Que Engoliu Um Espanhol (Guerra & Paz, 2017). Sou ainda autor de A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa e Doze Segredos da Língua Portuguesa. Saiba mais nesta página.

Anterior

Mania das Línguas

Próximo

Os Maias na ortografia original

1 Comentário

  1. Paulo de Oliveira

    fico a saber que o país se chama Pertual

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Autor do grafismo: Anders Norén

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close